Nova Geração Apocalipse 5 – Congregação de Pérgamo

Pérgamo

é uma das sete congregações citadas no Apocalipse. Destaca-se por sua carência material e sua capacidade de verdadeiros testemunhos. 

Ouça o Nova Geração – Apocalipse – 5 – Congregação de Pérgamo

Apocalipse, capítulo 2

11. Quem tem ouvido que ouça aquilo que o espírito diz às congregações. O vencedor não será injustiçado pela segunda morte.’

12. E ao anjo da congregação de Pérgamo escreve:

Essas coisas diz aquele que tem a espada afiada de dois gumes.

13. ‘Conheço onde moras, onde [está] o trono de Satanás; e seguras o meu nome e não renegaste a minha fé até nos dias de Antipas, a minha testemunha, o meu fiel, que foi morto no meio de vós, onde Satanás habita.

14. Mas tenho poucas coisas contra ti, porque tens aí alguns que dão força ao ensinamento de Balaão, ele que ensinou Balaque a lançar um escândalo diante dos filhos de Israel, para [levá-los] a comer carnes imoladas a ídolos e a fornicar.

15. Também tens uns que do mesmo modo dão força à doutrina dos nicolaítas.

16. Arrepende-te. Se não [o fizeres], venho encontrar contigo depressa e lhes farei guerra com a espada da minha boca.

17. Quem tem ouvido que ouça aquilo que o espírito diz às congregações. Ao vencedor lhe darei do maná escondido; e lhe darei uma pedra branca e na pedra [estará] um nome novo escrito, o qual ninguém conhece a não ser quem [a] recebe.’

Bíblia – Novo Testamento, vol. II: Apóstolos, Epístolas, Apocalipse. Tradutor: Frederico Lourenço

Diálogo mediúnico

Filhos e filhas, fiquemos sempre com o coração elevado para sentir a grandeza de Nosso Senhor e Mestre, Jesus de Nazaré. 

Veremos nesse livro, Apocalipse, a sabedoria e o poder que esse espírito, que para nós simboliza o amor de Deus, do Criador do universo, carrega em suas mãos.

Fiquemos sempre atentos, se estamos ou não seguindo o caminho do verdadeiro cristão, pois eu garanto a vocês: de nada vai servir tudo que vocês fizerem, se vocês não tiverem caminhando lado a lado com o Mestre.

Podemos começar nosso diálogo.

Estamos muito felizes com a sua presença hoje. A nossa pergunta do estudo é: por que o Cristo alerta com tanta frequência para as falsas doutrinas que podem se proliferar nos grupos cristãos? O mais importante não é praticar a caridade?

Só consegue praticar verdadeiramente a caridade quem compreender de forma clara as leis universais. Espíritas não entendem isso e fazem espetáculos ridículos: traem o cônjuge, não dão atenção aos filhos, são desonestos no emprego, na via pública não respeitam ninguém, e aí acham que: ah, vou fazer uma coisa aqui, duas horas por semana, e pronto, fiz caridade. Estupidez. E vai ouvir isso quando desencarnar. 

Por isso, o Cristo se preocupa tanto em alertar de falsas doutrinas. Veja o que Ele diz: alerta para que não se participe em determinadas experiências sociais, não participe de acusações, não participe de desequilíbrios de desejos inferiores. Podemos dizer que aí o sacrifício significa o ódio. Podemos dizer que a fornicação significa distúrbio sexual, algum nível de pornografia. 

Ora, hoje existem espíritas que vivem alimentando ódio e envolto em pornografia; andam dois quarteirões e têm trinta pensamentos pornográficos. Não merecem eles esse alerta? Sim, e merecerão também condenação. E não interessa se tiram um dia por semana, como dizem, para fazer o bem. Não interessa. É porque não entendem Espiritismo que acham que isso está bem. Ah, estou vindo, estou louvando, estou rezando, estou aplicando passes, estou indo para a reunião mediúnica, qualquer coisa, e pronto, faço caridade, posso ser um porco no meu dia a dia, não tem problema. Porque eu vou lá e faço caridade naquele grupo, ou em algum canto. 

Não há uma separação. É estúpido aqueles que resumem caridade a entregar simplesmente uma coisa material. O Cristo nunca fez isso, simplesmente entregou coisa material. As poucas vezes que, digamos assim, fez doação física, o fez depois de envolver todos em amor, em olhar a necessidade real, em envolver carinhosamente, em se comover, em escutar, depois. 

Se não se entende o que é conduta de vida, todo o resto perde valor. Não pode. Ah, então se for como alguns querem, bastaria o Antipas tirar o domingo de manhã e distribuir comida, pronto, estaria no Reino dos Céus. Seria isso? Não, filhos, continuaria sendo um símbolo satânico, como muitos espíritas são. 

Ora, Ele está falando para quem? Para os que querem segui-lo. Os espíritas, pelo menos, dizem que querem. Então, desses vão ter vários que vão se enquadrar nisso, de jeito ou de outro. Portanto, tem entre os espíritas os que pregam essas doutrinas condenáveis. Acham que não tem problema e usam lá algum tipo de mentira. 

Alertar, portanto, falsas doutrinas, principalmente, quando elas dão licença à promiscuidade e à inveja, à acusação e à maldade, é dever de cada verdadeiro cristão que tem como tarefa falar a outros cristãos, alertar, não acusar. Esta é diferença

Filhos, o Cristo sempre se preocupou com isso, desde sua encarnação quando Ele manda tomar cuidado com o fermento dos fariseus. O que era fermento dos fariseus, senão a lógica deles, a forma acusatória, a busca de encontrar sempre culpados, as acusações… Mesma coisa. 

O Evangelho é repleto de imagens e símbolos, mas que formam um todo coerente. Portanto, não venham dizer que não foram alertados. Ah, mas o palestrante tal, o presidente de qualquer instituição dessas aí, que não nos interessam mais, disse isso ou aquilo, e aí eu peço que tu te lembre: o Cristo disse que iriam ter essas falsas doutrinas. E o Cristo te avisou, por intermédio de João, que se você cedesse a elas, Ele te combateria. 

Escolhe, filho. Linguagem de Cristo claríssima: se você seguir esses falsos pregadores, muitos, bem sucedidos materialmente, muitos, bem sucedidos socialmente, você será combatido pelo próprio Cordeiro de Deus. Pensa se vale à pena conhecer e seguir esses, quando o Cristo já te alerta, que vai te combater se você quiser segui-los, mesmo sendo eles famosos e aplaudidos. 

Mas lembra ainda mais, filho, que você pode vencer. Que você veio para o mundo para vencer. E essa imagem do Cristo é extraordinária. Eu adoro: vencedor. Não é um coitadinho, como vocês às vezes dizem, e isso é tão estúpido! Ah, sou um verme, sou não sei o quê… Pois seja um verme você, eu quero ser um vencedor! O Cristo quer vencedores, não quer vermes rastejantes, não quer esses hipócritas. Não, não quer isso não! 

O Cristo quer vencedores. Por que você não quer ser um? Seja! Vença tudo isso, Ele tá te pedindo para vencer. Ele tá te mostrando como vencer obstáculos, como escalar essa montanha, como superar tudo isso. Eu adoro isso. 

O Cristo não quer apenas que você vença, Ele te incentiva e diz: ah, você vencedor vai ganhar prêmios extraordinários. Então, vamos acabar com essas tolices, essas pasmaceiras que viram moda entre vocês. 

Sejamos nós vencedores em Cristo e mereceremos viver num mundo extraordinário.

Que vocês fiquem em paz,

Do amigo espiritual de sempre.

As sete comunidades a que se refere o Apocalipse localizam-se na Ásia menor (hoje, Turquia) e são próximas umas das outras.
A ilha de Patmos, onde se acredita que o apóstolo João recebeu a revelação.

Reconstrução de um altar grego de Pérgamo

Museu de Berlim

Modelo da
cidade de Pérgamo



Conceitos

Sete candelabros

O candelabro é o símbolo das comunidades cristãs, grupos no mundo material que tem a função de sustentar e propagar a luz. O número sete significa totalidade. Nesse contexto, a totalidade dos grupos cristão no mundo.

Árvore da vida

A árvore é um dos símbolos mais ricos e complexos que existem. É integração entre as profundezas da terra, a superfície e o ar. Árvore da Vida é a origem e fonte nutridora de toda a vida material e espiritual.

Sete estrelas

As estrelas representam os anjos ligados as igreja. O número sete significa totalidade. Nesse contexto, significa o conjunto dos anjos - espíritos orientadores - responsáveis por todas as comunidades cristãs.

Nicolaítas

Tudo isso indica que os Nicolaítas ensinaram que os cristãos estavam livres da lei e que ele pode fazer exatamente o que quiser. Eles perverteram os ensinamentos de Paulo e transformaram a liberdade cristã em licenciosidade cristã..

O evangelho segundo o espiritismo

Capítulo XXI -Falsos Cristos e Falsos Profetas

                Caracteres do Verdadeiro Profeta

9. Desconfiai dos falsos profetas! Esta recomendação é útil de todos os tempos, mas sobretudo nos momentos de transição, em que, como neste, se elabora uma transformação da humanidade. Porque nesses momentos uma multidão de ambiciosos e farsantes se arvoram em reformadores e messias. E contra esses impostores que se deve estar em guarda, e o dever de todo homem honesto é máscara-los. Perguntareis, sem dúvida, como se pode conhece e eis aqui os seus sinais.

Não se confia o comando de um exército senão a um general hábil e capaz de o dirigir. Acreditais que Deus seja menos prudente que os homens? Ficai certos de que ele só confia missões importes aos que sabe que são capazes de cumpri-las, porque as grandes missões são pesados fardos, que esmagariam os carregadores demasiado fracos. Como em todas as coisas, também nisto o mestre deve saber mais do que o aluno. Para fazer avançar a humanidade moral e intelectualmente, são necessários homens superiores em inteligência e moralidade! Eis porque são sempre Espíritos já bastante avançados, que fizeram suas provas em outras existências, os se encarnam para essas missões; pois se nada forem superiores ao meio em que devem agir, nada poderão fazer.


Assim sendo, concluireis que o verdadeiro missionário de Deus deve provar que o é pela sua superioridade, pelas suas virtudes, sua grandeza, pelos resultados e a influência moralizadora de obras. Tirai ainda esta outra conseqüência: se ele estiver, pelo caráter, pelas suas virtudes, pela sua inteligência, abaixo do papel que se arroga, ou do personagem cujo nome utiliza, não passa de um farsante de baixa classe, que não sabe sequer imitar o seu modelo.


Outra consideração a fazer é a de que a maior parte dos verdadeiros missionários de Deus ignoram que o sejam. Realizam aquilo para que foram chamados, graças ao poder de seu próprio gênio, secundados pelo poder oculto que os inspira e os dirige, à sua revelia, e sem que o tivessem premeditado. Numa palavra: os verdadeiros profetas se revelam pelos seus atos e são descobertos pelos outros, enquanto os falsos profetas se apresentam por si mesmos como enviados de Deus. Os primeiros são humildes e modestos; os segundos, orgulhosos e cheios de si, falam com arrogância, e como todos os mentirosos, parecem sempre receosos de não serem aceitos.


Já se viram desses impostores apresentarem-se como apóstolos do Cristo, outros como o próprio Cristo, e, para vergonha da humanidade, encontraram pessoas bastante crédulas para aceitarem as suas imposturas. Uma observação bem simples, entretanto, bastaria para abrires olhos aos mais cegos: se o Cristo reencarnasse na Terra, o faria com todo o seu poder e todas as suas virtudes, a menos que se admita, o que seria absurdo, que ele houvesse degenerado. Ora, da mesma maneira que se tirarmos a Deus um dos seus atributos, já não teremos Deus, se tirarmos uma só virtude do Cristo, não mais o teremos.

Esses que se apresentam como o Cristo revelam todas as suas virtudes? Eis a questão. Observai-os, sondai-lhes os pensamentos e os atos, e verificareis que lhes faltam sobretudo as qualidades distintivas do Cristo: a humildade e a caridade, enquanto lhes sobram as que ele não tinha: a cupidez e o orgulho. Nota ainda que neste momento existem, em diversos países, muitos pretensos cristos, como há também numerosos e pretensos Elias, supostos São João ou São Pedro, e que necessariamente não podem ser todos verdadeiros. Podeis estar certos de que são exploradores da credulidade, que acham cômodo viver às expensas daqueles que lhes dão ouvidos.


Desconfiai, portanto, dos falsos profetas, sobretudo numa época de renovação, porque muitos impostores se apresentarão como enviados de Deus. São os que buscam uma vaidosa satisfação sobre a terra, mas podeis estar certos de que uma terrível justiça os espera!

Erasto, Paris, 1862

Ruínas históricas das cidades citadas no Apocalipse
Previous
Next

O que você achou?