Encontro 4: Ciclo Evolutivo

Encontro 4: Ciclo Evolutivo


Respostas Encontro 3

Baixar áudio (opção 1) 

Baixar áudio (opção 2)


Encontro 4

Baixar áudio (opção 1)

Baixar áudio (opção 2)

 


Baixar o Capítulo 4 em PDF


Capítulo 4: Ciclo Evolutivo

É muito importante entender como evoluímos, em que sentido caminham as mudanças sociais e as mudanças de nosso coração. Você evolui em linha, em círculo ou em espiral? Imagine que uma pessoa te pergunte isso na primeira entrevista de emprego ou no primeiro encontro com o amor de sua vida?! O que responderias?  Para você não passar vergonha, melhor ler com atenção todo o texto! Rs. O fato é que a resposta tem seríssimas consequências para você e para o universo.

A evolução é o caminho que todos nós, sem exceção, estamos envolvidos e entender é essencial para enfrentamos com coragem as provas e dores da vida. Muita confusão e desânimo são evitados se compreendermos o processo evolutivo. Evitamos o pessimismo desastroso e o otimismo ingênuo, mantendo a fé na estrutura do universo que é regido pelo Amor de Deus.

O desabrochar de uma planta, o voar de uma ave e as grandes mudanças sociais são regidas, acompanhadas e alimentadas pelo Pai criador. Quando entendemos isso e a forma como isso acontece, temos mais paz íntima e menos medo.

Apesar da nossa imperfeição intelectual, o pouco que entrevemos das leis universais nos encanta, pois, no Poder ordenador das leis e dos mundos, pressentimos Deus e, daí, adquirimos a certeza de que o Bem, o Belo, a Harmonia perfeita reinam acima de tudo.

Léon Denis, em O Grande Enigma, Capítulo II, Celd Editora. 

A primeira questão é: a forma como evoluímos é uma reta, um círculo fechado ou um círculo aberto como uma espiral? Vamos entender, na prática, o que significa cada uma destas ideias.

Evolução como uma reta

Para os que pensam a evolução é um movimento contínuo, sem nenhuma repetição, muita coisa fica sem explicação. Por exemplo, por que depois de Grécia e Roma tivemos a Idade Média que é uma repetição de épocas mais atrasadas? Por que daqui a cerca de 5 bilhões de anos o sistema solar irá se acabar? Se a evolução fosse uma linha em que o “novo” fosse sempre melhor em todos os aspectos do que o “antigo” não deveria haver repetição. Como em tudo vemos repetições a evolução não é uma linha. Essa é a concepção que menos explica das três que estudaremos.

Evolução como um círculo fechado

Se a evolução fosse um círculo, ela não seria evolução! Isso significa que, como em um círculo, cedo ou tarde, estaríamos exatamente em um mesmo lugar em que começamos. O aprendizado seria inútil e estaríamos condenados a sempre repetir tudo independente de nosso esforço em aprender. Esse ideia de “evolução” circular fechada é comum nas crenças populares do oriente.

Talvez seja menos ingênua do que a ideia do ocidente de evolução linear, mas, para mim, é angustiante pensar que nunca sairíamos de fato de um estágio, ou melhor, sairíamos para sempre voltar a ele.

Evolução como espiral (círculo aberto)

A ideia da forma da evolução no Espiritismo é a mesma da Doutrina Secreta (o saber dos grandes iniciados de todos os tempos). A evolução acontece em forma de espiral, que é um círculo que se abre com voltas ascendentes. O que isso significa na prática? Que repetimos o que já vivemos, porém repetimos de forma diferente. Por exemplo, fomos e seremos jovens muitas vezes, mas a cada vez seremos jovens mais sábios e inteligentes; a reencarnação é um processo de repetição em níveis diferentes. É um círculo que se amplia e se eleva. Veja o que ensina Léon Denis, o continuador de Kardec, em O Grande Enigma.

Todo ser já existiu; ele renasce e sobe, evolui, assim, numa espiral cujas órbitas vão aumentando cada vez mais, e é por isso que a História toma um caráter cada vez mais universal

Neste mesmo livro, Denis vai afirmar que “todo o segredo o universo aí está (no processo de evolução em espiral)”. Entender essa verdade é muito importante, porque desde as plantas, os animais, os humanos, os anjos, bem como os planetas, sóis, sistemas solares e galáxias tem seu movimento de ascensão, de progressão, de evolução em forma de espiral.

Não por acaso a espiral é o mais antigo símbolo universal da cultura humana. Não podendo nos explicar detalhadamente o processo de evolução universal, os espíritos superiores iniciam sua obra educativa com esta imagem, este símbolo. A espiral. Não dá para explicar a um homem/mulher das cavernas a forma da evolução por mais anjo da guarda que você seja! Porém, imagino os espíritos superiores comemorando: eles que conseguiram desenhar uma espiral!!! Quem sabem se em 200 mil anos eles não entendem?! Diz um espírito protetor mais otimista! Será que meu anjo guardião disse isso? Melhor não perguntar… Vai que eu demorei 300 mil anos para entender! Rs.

A espiral é encontrada nas pinturas humanas desde a época do paleolítico. Afirma o dicionário de símbolos, The Big Symbols Book.

A espiral é o símbolo- estrutura do crescimento e da dinâmica no universo e por ser infinita representa o crescimento constante (…) a espiral também simboliza os diferentes etapas da existência e o estágio do espírito encarnado. 

No Egito, a espiral simboliza a forma universal que integra a diversidade na unidade de maneira dinâmica. É a forma do universo em movimento.  O deus egípcio Thoth (como já aprendemos, os deuses egípcios representam forças e verdades espirituais)  que simboliza a criação, o desenvolvimento e o movimento é desenhado com uma espiral em sua cabeça.

No aspecto psicológico-espiritual a espiral simboliza o desenvolvimento do Eu profundo (self) que se expande ampliando a consciência de si e do universo.  Vejamos um exemplo prático da evolução.

O processo de reencarne 

Digamos que a evolução fosse linear, o que aconteceria? Você ao reencarnar, sairia do ventre de sua mãe, apertaria a mão do médico agradecendo, como espírito adulto, iria se vestir e pronto! Eis mais um adulto no mundo. Simplesmente, porque não repetiria a fase infantil, mas não é assim.

No processo de reencarne revivemos toda o nossa evolução desde o reino mineral. Em termos filosóficos se diz que a ontogênese repete a filogênese (se quiser impressionar decorra essa frase! Rs), quer dizer, cada um de nós repete a história evolutiva que todos passamos. Se a evolução fosse um círculo fechado, o que aconteceria? A gestação duraria 1,5 bilhão de anos! As mães agradecem a evolução não ser circular! Esse é o tempo que investimos para ser o que somos hoje.  Como a evolução ocorre em espiral, repetimos, porém, de forma muito mais rápida.

A estudiosa espírita Irvênia Prada, professora titular de medicina veterinária da Universidade de São Paulo, explica.

O embrião humano de 21 dias e o embrião do porco de 31 dias possuem arcos branquiais idênticos. Quem tem brânquias são os peixes. As primeiras fases do embrião – do ser humano, dos suínos, dos cavalos, dos cães e assim por diante – têm as mesmas formas e características, porque, a partir da célula-ovo, ele recapitula todas as suas formas evolutivas anteriores e o organismo humano acaba ficando com resíduos dessas estruturas. Nós já tivemos brânquias em determinado momento de nossa jornada evolutiva.

No cérebro, podemos comprovar isso de maneira mais clara. O projeto que estrutura a formação do cérebro dos animais e o do homem é o mesmo.

Para aprofundar clique aqui Youtube

Nós, antes de sermos humanos, passamos por todas estas fases e ao reencarnar “relembramos” cada um delas. 1, 5 bilhão de anos em 9 meses! Nada mal. Fico me perguntando, 21 dias revivemos a fase de ser “peixe”, o porco com 31 dias, parece que por sermos mais evoluídos relembramos mais rápido… Como seria uma tabela completa relacionando os dias da gestação e as fases evolutivas? Fascinante, não é?!

Nos aspecto do aprendizado individual, a Lei é a mesma. Por exemplo,  Francisco de Assis volta ao mundo para ensinar e aprofundar em si o cristianismo verdadeiro que viveu junto ao Cristo como João, Evangelista. A vida é um repetição em nível superior.

Nos acontecimentos históricos, a mesma coisa.  A Idade Média é uma “repetição” dos períodos em que vivíamos nas primeiras cidades. Depois “repetimos” a descoberta da filosofia e da religião livre,  com Renascimento dos séculos XIV, XV e XVI  que “repetem” a época de Sócrates e dos profetas judeus antes da vinda de Jesus ao mundo.

A repetição da Idade Média poderia ter sido mais curta, a Idade Média poderia ter durado 600 a menos, mas, por revolta, ele foi ampliada segundo afirma Emmanuel no livro A Caminho da Luz. Nós podemos permanecer um tempo maior ou menos no atraso espiritual de acordo com nossa vida.

Portanto, quando falamos de ciclos evolutivos, em Espiritismo, falamos de ciclos abertos, de ciclos em espiral. Já falamos de ciclo biológico, de ciclo evolutivo individual e de ciclo histórico. Vejamos outros ciclos. O ciclo dos astros. O ciclo solar de um de seus movimentos (rotação) dura 24 horas; o ciclo lunar tem 28 dias. Ambos se repetem, aos nossos olhos, sem aparente alteração, porém, eles nunca são os mesmos. O ciclo solar de outro movimento (translação) é o que gera as quatro estações em um ano. Um ciclo solar importantíssimo é o da precessão dos equinócios, citado em A Gênese que dura cerca de 26 mil anos.

Emmanuel, por meio do Chico Xavier, fala em um ciclo de 520 mil anos, dividido em dois de 260 mil anos. No primeiro período a Terra fica em estado de passividade e, em seguida, no segundo período, a Terra torna-se apta a vida em geral e para a vida humana em particular. Outro ciclo que Emmanuel fala é um de 28 mil anos em que um novo tipo de civilização ergue-se e extingue-se como foi o caso de Lemúria e de Atlântida.

Um ciclo astronômico bem maior é o conhecido como ano galáctico. É marcado pelo tempo que o sistema solar  dá uma volta completa em relação ao centro da galáxia, ele dura alguma coisa entre 225 a 250 milhões de anos! Já pensou o que você pretende fazer nos próximos 250 milhões de anos?! Se você se organizar, dá para fazer muita coisa! Sem pressa…

Para encerrar, um trecho de Léon Denis, o destemido e sábio continuador de Kardec, extraído do Livro O Grande Enigma.

Coisa estranha! Essa ciência profunda da origem das coisas, essa gênese do ser, essa lei do destino, a Antiguidade as conhecia, as compreendia infinitamente melhor do que nós. O que apenas começamos a restabelecer e provar cientificamente, a Grécia, o Egito, o Oriente o sabiam pela via da intuição e da iniciação.

Era o fundo dos mistérios isíacos (relativo a Ísis) e os de Elêusis, espécie de representação dramática da reencarnação das almas, de sua entrada no Hades, de sua depuração e de sua transmigração sucessivas. Essas festas duravam três dias e traduziam numa trilogia comovente todo o mistério desse mundo e o do Além. No final dessas iniciações solenes, os sábios eram sagrados para toda a vida, e os povos a quem se servia somente a parte simbólica e hieróglifa dessas verdades esotéricas, pressentiram-nas sob a casca do símbolo e guardavam, assim, o verdadeiro sentido da vida. Atualmente, este sentido, nós o perdemos. O Cristianismo primitivo, o de Jesus e dos apóstolos, ainda o possuía. A partir do dia em que o espírito grego, na sua sutileza, criou a Teologia, o sentido esotérico desapareceu e a virtude secreta dos ritos hieráticos evaporou-se como a virtude de um sal insípido. A escolástica sufocou a primeira revelação sob suas montanhas de silogismos e argumentações ilusórias e sofisticadas.

A mitologia pagã tinha, no mais elevado grau, a inteligência das origens e a noção da gênese vital. Sob a forma de mitos poéticos transpirava a verdade iniciática como sob a casca da árvore se revela a seiva de vida.

É à luz do Espiritualismo que quero estudar as diversas fases da vida humana, ligando-as e comparando-as às estações alternadas que se sucedem no tempo.

Vivência da semana 

Sua vida é cíclica, você pode repetir sem aprender ou mudar o nível de sua experiência.

Respire, acalma o coração. Se possível ouça alguns minutos de música, sente-se em uma posição confortável. Depois de alguns minutos, se faça a seguinte pergunta, com coração em estado de paz para aceitar a resposta. Faça esse exercício durante a semana, ele te ajudará muito.

1) Que situação desagradável que se repete em sua vida? Descreva-a em poucas palavras.

2) Qual o objetivo da repetição? O que você pode aprender com essa repetição?

Aprendizado da Semana

Durante a semana observe uma pessoa de seu convívio para detectar um padrão cíclico – um comportamento que se repete.

Caso esse comportamento seja positivo, elogie a pessoa, incentive-a de alguma forma.

Caso não seja positivo, pense um forma de ajudar, que pode ser com uma prece, uma conversa ou por meio de seu exemplo.

Compartilhe conosco sua experiência!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s