Resumo

Nesse encontro –  Anjo guardião relação de Amizade -estudamos a relação de Eurípedes Barsanulfo com seu espírito protetor Vicente de Paulo.


Baixar Áudio opção 01

Baixar Áudio opção 02


 

Amigos/as segue a entrevista com o espírito Patrícia sobre nosso tema. Ficarei devendo a vocês um texto sobre esse maravilhoso espírito Vicente de Paulo. 

Grande abraço e boa leitura! 

 

Encontro, Educação Espírita: um Convite à Juventude 

Encontro 02:  Anjo Guardião, uma relação de amizade

Baixar Texto 

1ª pergunta: Agradecemos a sua presença Patrícia e, como primeira pergunta, qual a relação entre a personalidade de Eurípedes Barsanulfo e de seu guia Vicente de Paulo?

A relação do anjo guardião com seu protegido, sob o aspecto da personalidade, é um dos fatores centrais que se deve buscar para entender porque o espírito A foi eleito por Deus para ser guia espiritual do espírito B.

Muitos, inadvertidamente, poderiam pensar que basta ser um espírito superior e ter conhecimento e virtudes para que se possa tornar espírito guia de qualquer outro espírito menos evoluído. Esse erro comprova a pouca penetração do pensamento do indivíduo quando este se utiliza do Espiritismo como uma doutrina teórica e não como uma estrutura conceitual que deve ser utilizada para examinar a vida e a relação entre os seres.

Esta escolha, portanto, minha filha, é algo de extrema importância, pois não basta estar acima do indivíduo na Escala Espírita para poder se tornar o anjo guardião.

Se todo espírito mais evoluído pode e deve influenciar positivamente no espírito menos evoluído, para tornar-se anjo guardião é necessário uma complementaridade de personalidade, de traços centrais de cada individualidade que se complementem e que se estimulem em profundidade.

Dito isso, podemos analisar que existe traços centrais que tornam a própria interpenetração dos fluidos entre Vicente de Paulo e Eurípedes algo profundamente poderoso.

Podemos destacar, sem invadir a intimidade desses dois grandes espíritos que muito admiramos, a disposição de entregar-se a Deus. Eurípedes, em sua última existência, não apenas cumpriu uma missão externa. A sua realidade íntima foi muito mais desenvolvida do que qualquer realização no mundo da matéria, pois ele deu um passo, que os encarnados não podem avaliar, no seu poder íntimo de entregar-se a Deus.

A confiança desse espírito em sua relação com Deus abriu-se de tal forma que ele passou a nada mais temer. Ele foi capaz, minha filha, numa pequena cidade do interior do Brasil, cercado das ameaças mais intransigentes em relação a sua fé, viver pacificamente. Não bastasse isso, a intensa movimentação espiritual para que a sua missão fosse distorcida era ativa e cruel, era ameaçadora e, podemos mesmo dizer, avassaladora, não fora a capacidade desse espírito entregar-se a Deus. É essa, minha filha, é a característica central do amigo Vicente de Paulo: um espírito que nada teme, um espírito que se alegra com as adversidades; um espírito que quanto mais se sente fraco mais se felicita, porque mais sente que está, simbolicamente, podemos dizer, nas mãos do Pai.

Isso aprendeu Eurípedes com seu guia espiritual. Por isso ele foi capaz de, visitando a gruta que era de sua cidade, entrar solitariamente nas próprias profundezas da terra, solitário, e ali dialogar com espíritos terríveis que se mancomunavam para atacá-lo.

Certa feita, seu guia lhe aparece, e diz: meu filho, está na hora de você desfazer o grupamento que tanto lhe ataca. Vá solitário à Gruta dos Palhares, vá para tal localização a muitos metros abaixo da superfície da terra e ali você encontrará muitos dos seus piores opositores. Vá lá desarmadamente e demonstre amor, eu estarei com você. Mas, acima de tudo, sinta: você está nas mãos de Deus. E, assim, esse espírito passou a solitariamente, descendo inclusive fisicamente ao submundo, a dialogar com aqueles que o odiavam profundamente.

Esse é o traço profundo. E assim como bom discípulo de Vicente de Paulo, Eurípedes adquiriu uma fé inabalável em Deus. Nada pôde abatê-lo: nem a ameaça da prisão física, nem o ataque continuado das trevas, nem a má vontade humana. E assim, ele realizou as mais extraordinárias cirurgias mediúnicas; e assim, ele amparou a todos os seus alunos, porque se sentia ligado ao próprio Criador do universo.

2ª pergunta: Eu gostaria de saber, quais as decisões dos encarnados que mais interessam a seus anjos guardiões?

Podemos ver, ainda citando didaticamente o exemplo desses dois amigos, que a primeira comunicação direta de Vicente de Paulo a Eurípedes foi sobre a relação de Eurípedes com o Cristo. Isso é o que mais interessa para todos os anjos guardiões: orientar o seu tutelado para que ele acerte no caminho que o liga ao Mestre de Nazaré. Por isso, a comunicação de Vicente de Paulo foi clara e direta, pois assim deveria ser. Eurípedes deveria abandonar a Igreja e dedicar-se ao Consolador prometido por Jesus.

Essa é a preocupação central. O espírito encarnado tem como objetivo central aproximar-se do Cristo e essa é a principal preocupação do guia espiritual, quando o seu espírito protegido está encarnado, porque no mundo da matéria a probabilidade de que o indivíduo se permita ser vencido pelos impulsos inferiores é muito mais alta do que no plano espiritual.

3ª pergunta: Deve o anjo da guarda ser o único espírito a se comunicar com seu protegido?

De forma nenhuma. Um espírito que clame exclusividade e controle absoluto sobre outro, independente de qualquer pretexto, é um espírito inferior. Porque o exemplo máximo é o próprio Cristo e nunca ele exigiu dos seus discípulos mais diretos nenhum tipo de exclusividade, ao contrário. Quanto mais lúcido e amoroso é o espírito mais ele compreende a beleza e o valor das múltiplas relações humanas para o enriquecimento da obra do Pai.

Não existe possibilidade de um anjo guardião que, por definição é um espírito superior, agir de forma exclusivista ou ciumenta com seu protegido, ao contrário, ele será o primeiro a estimular que esse indivíduo enriqueça as suas relações com espíritos mais elevados e menos elevados do que ele.

O que preocupa, o que é objeto de atenção do anjo guardião, é a qualidade dessas relações. Eurípedes era orientado por Vicente de Paulo a relacionar-se com espíritos inferiores: com aqueles que o perseguiam, com aqueles que buscavam distorcer sua missão no mundo, preocupando-se apenas, orientando, como era seu papel, que essa relação fosse sempre baseada na misericórdia e no Evangelho. Mas nunca agiu, como nenhum anjo guardião nunca agirá, limitando a vida emocional de seu protegido, pois apenas uma vida emocional rica com uma pluralidade de relações baseadas no Evangelho poderá auxiliar ao seu protegido a elevar-se na Escala Espírita.

 

4ª pergunta: Como o anjo da guarda exerce influência em relação aos espíritos que se relacionam com seu protegido?

Cabe ao anjo guardião ensinar ao seu protegido relacionar-se com cada espírito de personalidade diversa; cabe ao anjo da guarda ensinar a seu protegido relacionar-se com os criminosos, do além e encarnados; cabe ao anjo da guarda ensinar ao seu protegido relacionar-se com os poderosos, sem se contaminar e sem ser subserviente; cabe ao anjo da guarda ensinar ao seu protegido relacionar-se aos espíritos iluminados, sendo obediente e humilde, reconhecendo a sua inferioridade e, ao mesmo tempo, abrindo o coração para que haja um real aprendizado nesta relação. São apenas exemplos para ilustrar a minha resposta anterior.

Ao anjo guardião interessa que o seu protegido saiba valorizar a sua relação com todos os tipos de espíritos, encarnado e desencarnado; com todos os tipos de espíritos nas mais diversas classes sociais; com todos os tipos de espíritos das mais diversas classes sociais do mundo espiritual, para que em cada relação ele consiga aplicar em si mesmo o Evangelho do Cristo, agindo da maneira adequada segundo as sábias e elevadas leis de Deus.

5ª pergunta: Pode o anjo da guarda bloquear a comunicação de outros espíritos com seu protegido?

Em casos excepcionais, se julgar necessário, o anjo da guarda pode evitar que determinados espíritos se aproximem de seu protegido, pois, como dissemos, interessa a ele que seu protegido aprenda a relacionar-se com todos os tipos de espíritos. Porém, se observa o anjo guardião, que o seu protegido ainda não tem possibilidade de tirar um fruto espiritual de algum tipo de relação, que aquela relação poderá ser, que será certamente cem por cento prejudicial, sem que seu protegido sequer note o anjo guardião irá protegê-lo. O que significa, falando de outra maneira: se o indivíduo teve alguma relação de encarnado ou desencarnado é porque o seu anjo guardião vê, claramente, que existe possibilidade real daquela relação ser produtiva no aspecto espiritual; de que aquela relação poderá produzir sabedoria em seu protegido, cabendo ao protegido usar seu livre-arbítrio para que isso se concretize.

 

6ª pergunta: No caso de Eurípedes, Bezerra de Menezes era o espírito de maior ligação com ele? Se sim, porque ele não foi o seu anjo guardião?

Certamente a ligação entre esses dois amigos se perde ao longo de dezenas de milênios. Ainda assim, precisamos dizer, que a ligação com Eurípedes e Vicente de Paulo é ainda mais profunda e o exemplo da relação desses dois amigos, Eurípedes Barsanulfo e Bezerra de Menezes, exemplifica o que dissemos.

Não caberia um espírito tão evoluído quanto Vicente de Paulo sentir qualquer espécie de ciúme dessa relação, ao contrário, coube a esse espírito, em última instância, definir, incentivar e autorizar esse tipo de relação, pois como um anjo guardião, cabe a ele as decisões definidoras da existência de seu protegido. É um exemplo em que queremos muito que o movimento espírita entenda: de não exclusivismo, de amizade, de generosidade, de trabalho em equipe. Podemos dizer que, na verdade, almeja todo anjo guardião que ao redor de seu protegido se monte uma extensa e a ampla equipe de trabalho em prol do bem. Porque sabe ele que quanto mais relações saudáveis, mais o indivíduo estará fortalecido para as duras e rudes provas da vida material.

7ª pergunta: Deve o anjo guardião interferir nas atividades espíritas e nas atividades profissionais de seu protegido?

 O anjo guardião sempre interfere em todas as atividades de seu protegido. Mas aqui é muito relevante que se compreenda que não cabe ao anjo guardião tornar-se um ditador. Há uma intervenção sempre, mas uma intervenção sábia e amorosa, uma intervenção que não poupa o protegido de seu próprio aprendizado e também não o poupa dos muitos dissabores necessários ao processo de amadurecimento emocional.

Então podemos dizer: há sempre intervenção, mas uma intervenção que nunca cerceia em totalidade o livre-arbítrio do protegido, uma intervenção que nunca limita, de tal forma que o protegido se torne responsável perante as suas decisões.

As intervenções continuadas e constantes dos anjos guardiões ocorrem sempre no intuito de auxiliar o seu protegido a melhor aprender as lições da vida. Muitas vezes, essa intervenção se dá também no aspecto que, do ponto de vista do encarnado, é algo desagradável.

Acompanhamos muitos casos em que anjos guardiões intervém para que seja reduzido as condições de conforto material de seu protegido, numa tentativa desesperada para que haja uma atenção maior com as questões espirituais.

Portanto, a intervenção é constante, mas sempre considerando os interesses mais elevados do protegido e sempre deixando espaço para que a decisão última seja do espírito encarnado.

8ª pergunta: O anjo guardião permite que seu protegido erre sem interferir?

Certamente. A intervenção do anjo guardião nunca impossibilita o erro, pois essa seria uma intervenção autoritária. Ainda assim, quando erra, cabe ao anjo guardião auxiliar a seu protegido para que o erro se torne proveitoso, para que as consequências negativas do erro se tornem positivas, no sentido de se tornarem educativas.

Ao anjo guardião importa muito mais que o seu protegido aprenda do que erre ou não erre. O erro, sabe o anjo guardião, é impossível de ser evitado. O equívoco ocorrerá. O desvio de rota faz parte do processo evolutivo. Mas preocupa muito, no sentido de que este, o anjo guardião, dedica-se muito a pensar, auxiliar e agir de tal forma que o erro se torne motivo de aprendizado.

Não cabe ao anjo guardião evitar o erro de seu protegido, cabe a ele auxiliar intensivamente seu protegido para que tire lições preciosas de cada erro cometido.

9ª pergunta: O anjo guardião pode ter mais de um protegido?

Certamente. As relações dos espíritos evoluídos nunca são de exclusividade, minha filha. O ciúme é fruto da maldade humana que não acredita na generosidade do Pai. O ciúme é como a atitude do avarento em relação ao ouro: ele teme que seu ouro se acabe, ele teme que ele fique sem aquele benefício.

Aos espíritos lúcidos é evidente a grandeza do Pai. A abundância das relações é apenas um dos reflexos da abundância de Deus em toda a criação.

Portanto, não há uma limitação definida. Se o espírito é capaz, se o espírito se dispõe, o Pai permitirá a ele ter tantos protegidos quanto seja possível, quanto ele queira se dedicar.

Uma das maravilhas, se assim podemos dizer, da evolução espiritual é a ampliação da possibilidade de ação, minha amiga, tanto do livre-arbítrio quanto do poder.

O espírito pode decidir ter variados protegidos, inclusive, e espero que essa informação não vos assuste, protegidos em mundos diferentes. Tudo isso é possível, porque o amor de Deus nunca limita o coração humano. Sois vós que tornais o vosso coração pequeno por um ato contrário às leis do Criador.

Podemos dizer que conhecemos, de forma prática, o funcionamento dessa realidade, de amigos que possuem protegidos em mundos de variados graus evolutivos. Protegidos na Terra, protegidos em mundos mais evoluídos e mesmo protegidos em mundos menos evoluídos. Tudo isso é possível, porque o amor de Deus jamais é limitador. Todas as afirmativas que limitam o amor, que limitam a relação entre as criaturas e que limitam, por consequência, a relação da criatura com o Criador são mentirosas e equivocadas, porque o amor expande as relações, e é com muita alegria que nós podemos ensinar, dizendo: os espíritos verdadeiramente superiores possuem dezenas de comunidades de amigos em, pelo menos, dezenas ou centenas de mundos.

Crescer, minha filha, portanto, é ampliar as possibilidades de amar e cultivar amizades e relações em centenas de planetas, aprendendo com a beleza de cada um deles. E, portanto, Deus também não limita a possibilidade de haver protegidos nem na Terra, nem em outros mundos, cabendo ao espírito conquistar o patamar evolutivo que permita que desempenhe essas missões.

10ª pergunta: O espírito de Vicente de Paulo tem outro protegido além de Eurípedes Barsanulfo?

Dezenas, minha filha. E esse espírito desenvolve uma atividade para nós extremamente interessante, porque ele, inclusive, educa aos seus protegidos cuidarem de outros protegidos dele. Eurípedes encarnado educou outros protegidos de Vicente de Paulo e, assim, esse espírito maravilhoso desenvolveu no planeta Terra uma cadeia imensa de protegidos que ele educa para cuidar de outros protegidos dele sempre sob sua supervisão.

Foi assim, minha filha, que ele conseguiu instalar na Terra uma das mais generosas obras sociais da história deste mundo, e é assim que, em nosso plano, ele se torna um exemplo belíssimo, um exemplo máximo, de como um anjo guardião, agindo como um anjo guardião, gera uma imensa rede de relações de amor e de ensino mútuo.

Conclusão: Nós concluímos as perguntas e deixamos o espaço para a mensagem de encerramento. Agradecemos a sua presença.

Queremos encerrar, minha amiga, dizendo: o amor de Deus é um único parâmetro justo para a relação entre o anjo guardião e seu protegido. Se admiramos, com razão, o amor das mães pelos filhos, se admiramos, com razão, a devoção de alguns animais por suas crias, se admiramos, com razão, o amor e a amizade elevada, podemos afirmar, é preciso que o movimento espírita entenda, que acima de todas essas relações existe a relação com o anjo guardião, que é uma relação que expressa objetivamente um parâmetro divino e universal.

Podemos dizer, minha filha, que parte os nossos corações, observar o quanto os nossos irmãos tão amados do movimento espírita não investem nas relações com seus anjos guardiões por medo e por receio de serem condenados. Porque em suas imaginações ainda limitadas e infantis projetam no anjo guardião a mesma figura que inconscientemente projetam em Deus, de um ser excessivamente austero e excessivamente rigoroso. Esta não é a verdade. Deus é, acima de tudo, misericórdia e compreensão. E o vosso anjo guardião é, acima de tudo, essa representação de Deus. Porque o anjo da guarda é o eleito de Deus para representá-lo perante o seu protegido. Não é uma relação superficial.

Quando vemos, com felicidade, muitos espíritos encarnados que sabem o valor da maternidade da paternidade; nos gera tristeza em ver que a grande maioria não entende o valor da relação com seu anjo da guarda.

Sugerimos que se preparem os vossos corações para que, em breve, possamos ter um outro padrão que relação dos espíritas com seus anjos guardiões.

Se podemos e devemos fazer reuniões mediúnicas para receber aqueles que mais sofrem, precisamos e devemos ter espaço, nessas mesmas reuniões mediúnicas, para que se comuniquem os anjos guardiões de cada um, para que se tenha um contato mais próximo. Porque, podemos afirmar: antes de uma relação mais profunda com Deus, é da lei do Pai que o indivíduo consiga ter uma ampla e profunda relação com seu anjo da guarda. Pois o anjo da guarda, minha filha, é o eleito pelo Criador para mostrar a uma criatura particular o Seu amor.

Que todos façam uma prece nesse instante, junto conosco, do fundo da alma, com o coração aberto ao seu anjo da guarda, suplicando, pedindo e dizendo: meu amigo guardião, espírito eleito pelo Criador do Universo para me ensinar o que é o verdadeiro amor, aproxima-te de mim nesse instante. Eu te quero ao meu lado, eu quero que tuas energias me envolvam nesse momento. Porque agora eu sei, é vontade de Deus que tu me abrace e me ame e eu também quero retribuir esse amor com todas as minhas forças.

Muita paz, de vossa irmã e amiga, Patrícia, o anjo guardiã do médium.

 Baixar o Texto em PDF