Diálogo Mediúnico – encontro -8

Diálogo Mediúnico

Paz e alegria em vossos corações. Que o Cristo nos envolva a todos com o seu amor sereno e elevado, com a sua vontade poderosa, para que consigamos, em seu nome, falar do amor.

Muito obrigada pela sua presença hoje. Nossa dúvida é: como podemos evitar que caiamos em erros semelhantes ao do espírito Álvaro do livro Sexo e Destino?

Primeiro, questionando-se: por que nós que trabalhamos em nome do Cristo, vinculados ao Consolador, vos destinamos esta história? Se pensais com firmeza de ânimo, entendereis que em larga medida ela retrata a vossa própria história. Consequentemente, o primeiro momento deve ser de honestidade íntima. Verificar-se intimamente os próprios impulsos e desejos. Nunca tive uma atitude de Álvaro? Nunca tive uma atitude de Brites? Nunca tive uma atitude de Justiniano? Nunca vivi situações que podem se assemelhar a estas do ponto de vista psíquico? Porque, como sabeis, psiquicamente mantendes as tendências do passado até que elas sejam reeducadas.

Reconhecendo, portanto, a vossa iniquidade, os vossos impulsos doentios, podereis, dialogando com o Cristo, buscar a transmutação verdadeira destas verdadeiras infecções de vossas almas.

É necessário o passo inicial: vos reconhecerdes como os necessitados de forma sincera, de forma honesta com uma verdade que liberta: sim, já tive uma situação dessa parecida. Sim, já tive esse tipo de impulso, reconheço-o em mim. Portanto, a literatura espírita que mereça esse nome deve obrigatoriamente provocar esse tipo de reflexão. Por isso, uma mensagem espírita que não vos leve ao autoconhecimento ou não é verdadeira, ou não está sendo lida com os olhos da verdade.

A sinceridade é o único caminho que tendes para socorrerdes a vós mesmos.

A Terra hoje enfrenta o momento de educação das iniquidades. Não é o mundo que está pior, é o tratamento que se intensifica. Porque, em outra época, histórias como essa passavam desconhecidas da grande maioria. Hoje elas parecem multiplicar-se aos vossos olhos quando, na verdade, por ordem do Cristo, elas se tornam públicas para que tenhais a consciência de que não sois piores do que os outros habitantes do planeta, mas podeis optar pela vossa própria cura.

Podeis agir de tal forma que o Cristo curará os vossos corações.

Vocês precisam de Evangelho verdadeiro, porque durante séculos manusearam o evangelho da mentira. Porque todos esses envolvidos pronunciavam o nome do Cristo, socialmente falando, mas nenhum deles tinha o Cristo no coração.

Portanto, minha amiga, se me perguntais o que fazer, digo-vos com sinceridade a todos vocês só há um caminho: apresentai as vossas chagas ao Mestre de Nazaré.

Porque vocês pensam que o Mestre apresentou sua mão ferida a Tomé, apenas para convencê-lo da imortalidade quando, na verdade, a verdade é muito mais profunda. O Cristo mostra as suas chagas para curar as chagas da incredulidade de Tomé, mas mais ainda para vos ensinar que somente quando tiverdes a dignidade de mostrar as próprias chagas ao Cristo, Ele vos curará. Mostrai as vossas chagas, esse é o pedido da vossa consciência e essa é a lei do Criador. Mostrai diariamente as vossas chagas ao Cristo com sinceridade e não tereis o mesmo destino desse espírito infeliz que desencadeou milhares de crimes.

Muito obrigada pela sua resposta. Deixo o espaço para a mensagem de encerramento.

Acusai. Acusai sempre a si mesmos todos aqueles que foram vítimas de violência sexual, mas acusai-vos como cristãos. Como um cristão se acusa? Direi, orando da seguinte forma: Pai, perdoa a todos nós. Orai como Félix orou: Pai, todos erramos, nenhum de nós sabe onde começou o crime, nenhum de nós sabe quem atirou a primeira pedra, nenhum de nós sabe quem foi o autor da primeira traição. Por isso, Pai, não te peço justiça para uns e clemência para outros, eu te suplico: tem piedade de todos nós, porque todos nós nos enlameamos, porque quisemos nos afastar do teu amor, porque todos nós emporcalhamos a fonte do prazer e da vida que generosamente tu nos confiaste. Por isso, a única acusação que cabe ao verdadeiro cristão é a súplica da piedade plena para si e para todos.
Portanto, amigas e amigos, para trás com o desânimo, com a calúnia e com a revolta. Paremos com as condenações e as acusações mundo. Está na hora de darmo-nos as mãos e suplicar ao Alto: Pai, em nome de Jesus de Nazaré, tende piedade de todos nós.

Do vosso irmão e amigo,
Cairbar de Souza Schutel.