Conceitos – Virgindade – Encontro 11


Sabemos que por conta das crenças medievais a questão da virgindade de Maria ocupou um lugar de polêmicas e discussões que tiveram como única utilidade provar nossa ignorância sobre o Evangelho e sobre a tradição do Antigo Testamento. Nos entristece que, ainda no século XXI, espíritas, se dediquem a opinar sobre tais crenças simplesmente baseados no “eu acho”que facilmente transforma-se em em “eu sei”.
Não vamos aqui apresentar argumentos complexos, mas apenas indicar um caminho da reflexão fundamentado na pesquisa do que é relevante para entendermos esse tema: a tradição e a língua hebraica.
No Dictionary of Biblical Imagery há um esclarecimento essencial.
“A idéia de virgindade, referindo-se geralmente a qualquer jovem pessoa não casada e especificamente para quem ainda não relações sexuais experientes, é comumente usado em ambos sentido literal e metafórico na Escritura.”
Os autores nesse livro dão como exemplo essa passagem de Jeremias 31:4,

Eu te edificarei e serás edificada
Oh virgem Israel!


Esta é a primeira ideia a ser entendida. Virgindade é usada na Bíblias em sentido físico e metafórico. A segunda ideia é ainda mais importante, trata da língua bíblica e de sua aplicação em o Novo Testamento.

A tradição do povo Hebreu fala repetidamente da vinda do Messias. Isso é importantíssimo que entendamos. Os apóstolos estão entre os primeiros que reconheceram que Jesus era o Messias prometido por Deus. O que fizeram eles após a crucificação de Jesus? Preocuparam-se em avisar aos judeus que o Messias já havia sido enviado por Deus e que fora crucificado. O argumento ligado a tradição deste povo de que Jesus era o Messias se baseada em mostrar que o Mestre cumprira tudo o que fora anunciado pelos profetas. Sem entender esse fato, você não entenderá muito do que está escrito no Evangelho.

Dentre os profetas, o que mais se destacou ao falar sobre o Messias foi Isaías. Por isso, a atenção dos apóstolos em mostrar que Jesus cumpria o que Isaías anunciara cerca de 700 anos antes do nascimento de Jesus. Ao anunciar a vinda do Messias afirma Isaías (7:14) “Portanto, o mesmo Senhor vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel.”

Aqui está a chave da questão: em Hebraico existem duas palavras – Almah e betulah – que foram traduzidas para o grego antigo por – parthenon – que foi traduzido por virgem.A primeira significa jovem capaz de conceber, de engravidar. Quer dizer, uma pessoa do sexo feminino capaz de engravidar, independente de ter tido ou não relação sexual.O segundo termo – betulah – significa virgem, alguém que nunca teve relação sexual. Que termo usa Isaías ao anunciar o Messias? Almah! Quer dizer, a tradução adequada é … eis que uma jovem conceberá… Como sabemos, Maria era muito jovem. Essas informações constam no Theological Dictionary of the NewTestament e no
An Introduction to the Hebrew Bible: A Thematic Approach.

Quanta discussão, ofensas e interpretações absurdas por causa de uma tradução e, principalmente, de nossa inferioridade moral, intelecto-moral.