Diálogo Mediúnico – Encontro – 4

Diálogo Mediúnico

Paz e alegria em vossos corações! Que o Cristo, generoso e justo, possa, nesse instante, encontrar espaços onde repousar a cabeça em vossos corações sofridos e angustiados.
Jesus, ao referir-se que não haveria na Terra um local onde pudesse repousar a cabeça, falava simbolicamente que precisava do coração de seus irmãos menores para que, de fato, pudesse repousar em plenitude neste mundo. Ainda hoje, procura o Mestre os corações abençoados para que possa se refazer da lida do mundo em relação aos seus irmãos tão revoltados.

O Cristo, que recebe do próprio Criador do universo seu alimento poderoso, não despreza a fraternidade humana. Por isso, busca em cada ser, em cada coração, o espaço generosamente cedido para que ali possa repousar e habitar, trazendo verdadeira paz a quem o acolhe.
Podemos iniciar, minha amiga.

1ª Pergunta. – Muito obrigada pela sua presença aqui, amigo Cairbar. Como primeira pergunta, que práticas nós podemos desenvolver para superarmos o nosso complexo de inferioridade?

É preciso entender, minha cara amiga, que o mundo hoje é uma escola árdua para os seguidores do Mestre. Que muitas vezes a dor é a experiência indispensável para que possais amadurecer e, passo a passo, seguir o caminho da cristificação.

Apenas entendendo o mundo como uma escola difícil, os verdadeiros seguidores do Cristo obterão o resultado de uma encarnação vitoriosa.

Não é o mundo um espaço de lazer fútil. Não é o mundo criado pelo Mestre um espaço para consumismo desenfreado. O mundo é, e ainda será por poucas décadas, um espaço de provação dolorosa.

É nesse contexto, criado por vós mesmos, mas reestruturado, na medida do possível, pela misericórdia do Mestre, que deveis viver as experiências libertadoras do espírito. Portanto, é preciso aceitar que o Mestre não errou ao vos conduzir a este planeta. É preciso aceitar que o Cristo não errou ao vos dar experiências que devem ser usadas para o autoconhecimento.

Não há outro caminho senão o da crucificação para aqueles que querem encontrar com Jesus.

Parar as fugas da mentira inconsciente e consciente, parar as fugas das confusões mentais, que trazem uma complexidade absurda para a vida íntima, e entender que todas as experiências possuem um alvo muito claro e preciso: abrir o vosso coração para que o Cristo possa nele entrar em sua plenitude.

Afastar-se das loucuras do vício mental tão cultivados por via da internet. Afastar-se das experiências degradantes com pessoas que fogem de si mesmas. É o único caminho que significa olhar-se, enfrentar a si mesmo. Mesmo que olhar-se no espelho da alma seja uma experiência profundamente desagradável, mas será profundamente libertadora.

A superação do complexo de inferioridade dá-se com o estabelecimento de práticas diárias de consciência crística. Ao acordar, reconhecer em si um irmão legítimo de Jesus de Nazaré. Ao agir, reconhecer em si a referência familiar do Cristo e não de um pai ou mãe biológica.

O que o meu irmão mais velho gostaria que eu estivesse fazendo nesse instante? Como ele gostaria que eu agisse? O que o deixaria feliz? Que tipo de atitude ele aprovaria? Se queres uma aprovação, buscai a aprovação do coração do Mestre. Se queres ser exaltado, buscai a exaltação daquele que soube servir a todos. Se queres ser aplaudido, buscai o aplauso da consciência que serve, dada pelo próprio Criador do universo.

O complexo de inferioridade se esvairá com a prática diária de reconhecer-se irmão de Jesus, companheiro de construção de um mundo melhor, a quem ele acolhe e orienta sempre.

A dificuldade de grande maioria dos encarnados se dá que não se busca a aprovação do Cristo, que diariamente se busca a aprovação do mundo e se busca, ironicamente, o apoio do Mestre para se obter a aprovação do mundo. É uma situação sui generis que observamos de muitos espíritas em buscar apoio do Cristo e de mentores espirituais para que eles possam ser aprovados por aqueles mesmos espíritos que assassinaram Jesus. É como se Pedro pedisse a ajuda do Cristo para agradar a César, é como se Madalena pedisse o amparo do lúcido Rabbi para vencer no mundo da promiscuidade.

Meus filhos, o caminho do Cristo é o caminho da verdadeira ascensão espiritual, da verdadeira renúncia de si mesmo. E apenas alcançareis a superação de vossos complexos psíquicos quando com honestidade espiritual disserdes a esse irmão: meu irmãozinho, eu quero servir junto com você e em seu nome, me ampare!