Encontro 11 – Ascensão espiritual

Resumo

O processo de crucificação do Cristo exigirá de nós muita reflexão para ser compreendido em sua essência. Cada etapa traz ensinos sublimes de libertação espiritual para os que desejam superar a própria inferioridade, embora nossa infantilidade espiritual nos leve a querer ignorar ou negar o valor das lições da Cruz.


Participe

Contamos com sua colaboração para aperfeiçoar e divulgar nosso trabalho! 


Baixar Áudio opção  1          Baixar Áudio opção  2


Música 

 Ashir Shirim (I Will Sing Songs to God) – Wedding Song


Música do tempo de Jesus eda Jerusalém do segundo templo. Reproduções com os instrumentos da época, cantadas em Aramaico e Hebreu com a pronúncia da época do Cristo.

savae

Fonte: http://www.singers.com/group/San-Antonio-Vocal-Arts-Ensemble/

Site do grupo:  https://g.co/kgs/LGbYDm


Texto

Encontro 11 – Ascensão espiritual

Baixe o Texto em PDF

O processo de crucificação do Cristo exigirá de nós muita reflexão para ser compreendido em sua mensagem básica. Cada etapa traz ensinos sublimes de libertação espiritual para os que desejam superar a própria inferioridade, embora nossa infantilidade espiritual nos leve a querer ignorar ou negar o valor das lições da Cruz, como afirma Emmanuel, na mensagem 103, livro Pão Nosso,

Muitos estudiosos do Cristianismo combatem as recordações da cruz, alegando que as reminiscências do Calvário constituem indébita cultura de sofrimento.

Asseveram negativa a lembrança do Mestre, nas horas da crucificação, entre malfeitores vulgares.

Somos, porém, daqueles que preferem encarar todos os dias do Cristo por gloriosas jornadas e todos os seus minutos por divinas parcelas de seu ministério sagrado, ante as necessidades da alma humana.

Cada hora da presença dele, entre as criaturas, reveste-se de beleza particular e o instante do madeiro afrontoso está repleto de majestade simbólica.

Naturalmente, um estudo aprofundado da vida do Cristo deve buscar interpretação dos símbolos que ele nos deixou como caminho espiritual. Nesse momento, vamos iniciar uma reflexão que se desenvolverá a cada retorno a este tema em nosso curso: a crucificação do Profeta de Nazaré.

Qual o tipo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem, para lhe servir de guia e modelo?

— Vede Jesus.

Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar a Humanidade na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque ele estava animado do Espírito divino e foi o ser mais puro que já apareceu na Terra.

Questão 625, de O Livro dos Espíritos e comentário de Allan Kardec.

Vamos relatar nesse texto o acontecimento mais doloroso da história do planeta. Falo da rejeição coletiva que o mundo, nós, os habitantes da Terra, realizamos em relação a Jesus de Nazaré. Não apenas pela dor que causamos nesse coração que doou-se a cada um de nós, mas, também, pela maldade expressada por nosso coração, pois a maldade é a negação da misericórdia, é não querer viver em função do Amor, da fraternidade universal.

A condenação do Cristo, infelizmente, foi uma decisão democrática da Terra. Optamos por não permitir que a Luz caminhasse entre nós, nos curando e nos elevando. É um tema denso e difícil que precisamos abordar. Como e por que Jesus  foi crucificado com o apoio do povo?

Estudaremos esse tema a partir de um relato de quem participou das decisões da crucificação, de alguém que acompanhou de perto o desenrolar dos fatos. O  respeitável espírito de Emmanuel no apresenta um relato lúcido e verdadeiro da prisão e da condenação de Jesus, esse testemunho corajoso será a fonte de nossas reflexões.

A primeira etapa da crucificação é a na Santa Ceia, pois é durante a ceia da páscoa judaica que Jesus anuncia que será traído por um de seus discípulos. A relação do Mestre com aquele que o traiu, depois de tantos benefícios recebidos, é uma lição a ser sentida por todos nós que já traímos e já fomos traídos.

A cena seguinte a nos chamar a atenção é a prece do Senhor no monte chamado Getsêmani ou Jardim das Oliveiras; em que ele roga ao Pai que o cálice seja afastado, sabia o Mestre que a Humanidade estava prestes a assumir ante a própria consciência o repúdio do Amor de Deus e que a partir daquele momento necessitaria da Cruz para redimir-se. Desejou o Mestre evitar que seguíssemos este árduo caminho.

A prisão é outro símbolo profundo. Que prisões nos encarceraram hoje? Como lidar com aqueles que nos prendem? Qual o método de libertação ofertado por Jesus a todos nós?

O julgamento de Jesus mostra-o, aparentemente, como um joguete entre os poderosos da época, mas sua postura serena ensina: Deus controla o mundo!

Ao abandono dos amigos, o Mestre exala compaixão, como quem expressa: amo-os ainda que suas fraquezas os levem a me abandonar.

A Simão Cirineu, o que ajuda, por ter sido obrigado pelos soldados, Jesus aceita o amparo com carinho.

As mulheres que não o abandonam, Jesus consola-as, como a ensinar a humanidade que, sem a sensibilidade feminina, sempre fugiremos nas horas mais importantes da vida.

Aos que gritam contra ele, o silêncio que pacifica; aos que zombam, o olhar de ternura; aos que se arrependem, a promessa de ventura; a todos, independente de suas atitudes, uma expressão adequada e sincera de Amor.

Sabia o Mestre não estavámos rejeitando somente a ele, mas ao Pai que o enviou, por isso, suplica ao Criador do Universo, Pai, eles não sabem o que fazem…

Os episódios da crucificação exigirão de nós uma longa caminhada interior para serem sentidos e entendidos. Hoje, falaremos sobre a mensagem da cruz. Jesus torna a cruz, símbolo de punição dos criminosos do mundo, em um símbolo de libertação espiritual jamais concebido pela Humanidade. O que diz esse símbolo?

Com o símbolo da Cruz, o Mestre estabelece o padrão de relação de todas a criatura da Terra com o Criador, pois ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. Que padrão é esse? É o padrão da obediência suprema, bem como do amparo ilimitado do Pai. Ensina o Mestre que apenas com a morte de nossa inferioridade poderemos alcançar a luz vitoriosa daqueles que desfrutam uma paz inabalável, enquanto sentirmos que podemos nos aproximar do Mestre para a satisfação de nosso eu inferior, de nossas conquistas superficiais e passageiras, ainda estamos longe de iniciarmos nossa ascensão a vida superior.

Somente aqueles que intimamente se prepararam para o testemunho da perda de suas ilusões orgulhosas e egoístas podem, com justiça, esperar as conquistas verdadeiras após a própria crucificação.

E o que dizer daqueles que pregam, em nome do Cristo, que a vida é um eterno fluir de prazer, dos “otimistas” que dizem que todas as fantasia infantis que ainda carregamos podem e devem ser alcançadas? Respondo, inicialmente, com um trecho do Emmanuel, do livro Caminho, Verdade e Vida, item 99, Prometer.

É indispensável desconfiar de todas as promessas de facilidades sobre o mundo.

Jesus, que podia abrir os mais vastos horizontes aos olhos assombrados da criatura, prometeu-lhe a cruz sem a qual não poderia afastar-se da Terra para colocar-se ao seu encontro.

Quer dizer, meu amigo e amiga, devemos carregar nossa cruz. É preciso lembrar que o Mestre transformou a símbolo vulgar da cruz no mais elevado símbolo de libertação espiritual do mundo por causa da qualidade de suas emoções, da profundidade de sua entrega. Por que esse assunto é tão importante? Enfrentamos hoje um duplo desafios (esse trecho, os anjos não devem ler). Nós traímos o Cristo dezenas de vezes, não fomos apenas responsáveis, de forma direta ou indireta, por sua crucificação, mas utilizamos seu sacrifício para explorar, para impor nossos caprichos, para justificar nosso egoísmo voraz. Por outro lado, vivemos em uma sociedade doente, viciada em conforto e comodidade, que prega excesso e as fantasias da matéria… Veja que o desafio, para nós, é imenso e quantas vezes não nos pegamos querendo usar a imagem do Cristo para justificar nosso ciúme, nosso egoísmo, nossa vaidade?! Temos que entender que o mundo se renova e apenas aceitando a cruz, que para nós, muitas vezes, é a negação de nosso caprichos imaturos, é que poderemos nos abrir emocionalmente para desfrutar a grandeza do Amor de nosso Pai. A cruz, portanto, não é um símbolo de tortura e punição, é um símbolo de cura. O Mestre que curou tantos corpos, usa o massacre de seu corpo para curar as nossas almas. Como não amá-lo?

Perdoe-me as almas frágeis, mas é importante inserir um precioso texto de Emmanuel que, entendendo nossa situação espiritual, alerta-nos para que não caiamos, mais uma vez, em nosso vício de exploração do Amor de nosso Mestre. É uma mensagem do livro Fonte Viva, intitulada Afirmação Esclarecedora.

É que esperam a proteção do Senhor para desfrutarem o contentamento imediato no corpo, mas não querem ir até ele para se apossarem da vida eterna.

Pedem o milagre das mãos do Cristo, mas não lhe aceitam as diretrizes.

Solicitam-lhe a presença consoladora, entretanto, não lhe acompanham os passos.

Pretendem ouvi-lo, à beira do lago sereno, em preleções de esperança e conforto, todavia, negam-se a partilhar com ele o serviço da estrada, através do sacrifício pela vitória do bem. Cortejam-no em Jerusalém, adornada de flores, mas fogem aos testemunhos de entendimento e bondade, à frente da multidão desvairada e enferma.

Suplicam-lhe as bênçãos da ressurreição, no entanto, odeiam a cruz de espinhos que regenera e santifica.

Podem ir na vanguarda edificante, mas não querem.

Clamam por luz divina, entretanto, receiam abandonar as sombras.

Certamente, todos iremos carregar nossas cruzes, mas aqueles dentre nós que as carregarem com devoção e com um sentido espiritual mais profundo se libertarão. Os tolos que desejam viver, às vezes em nome do Cristo, uma vida fútil e centrada no prazer material, terão não apenas uma cruz libertadora, mas milhares, até que sua revolta seja transmutada em suprema obediência Pai.

Exercício emocional

1. Acalme o corpo, respirando lentamente o tempo que for necessário.

Relembre de forma calma, uma experiência dolorosa que você viveu.

2. Continue respirando com calma

Escreva em poucas palavras o que foi essa experiência.

Escreva o que você aprendeu com ela ou se nada houver aprendido, escreva o que você poderia ter aprendido. Sempre é tempo!

Prática Emocional

 Transforme em uma acão seu aprendizado, beneficiando alguém. Por exemplo, se você aprendeu a ser menos orgulhoso, use isso para superar um conflito ou para perdir ajuda para quem precisa (pode ser uma doação a uma hospital etc).

 

Mensagem de Encerramento

Que a paz do Cristo se faça em vossos corações, irmãos e amigos de ideal espírita. Sim, meus irmãos, é um tema grave, é um tema profundo, mas também é um tema de infinita alegria. Porque aquele  que vive a própria crucificação conquista uma alegria eterna; porque a alegria não é bem estar físico, alegria não são condições externas; alegria, meus irmãos, é a felicidade inabalável de nada temer. De saber, que em qualquer mundo, em qualquer planeta, em qualquer estrela, se está bem. Deus ampara, nunca nada faltará. Mas essa tranquilidade e convicção íntima, meus irmãos, pertence apenas e exclusivamente aos corações que permitiram viver a própria crucificação. As inferioridades da matéria, do espírito, bloqueiam essa segurança. Os vossos prazeres doentes vos tornam frágeis e débeis, e às vezes, dementados. A renúncia fortalece o corpo e a alma. O espírito que é capaz de renunciar nada teme, que irá perder? Nada. O que possui? Tudo, porque está vinculado ao Pai.

Vossos apegos vos tornam pequenos, vossas paixões inferiores vos tornam infelizes. Vossa coragem vos tornará luz inextinguível que reflete uma paz inabalável.

Meus irmãos e meus amigos, como é difícil expressar o valor das verdadeiras conquistas espirituais para quem ainda está a caminho. Mas é necessário que digamos e que repitamos sempre: buscai, buscai e não vos arrependereis, porque, um dia, o Cristo vos visitará e com o seu sorriso de beleza eterna irá caminhar para um abraço feliz, e sorrirá com você, e dirá: meu irmão, quantas lutas superadas, sede feliz em meu Reino, sede feliz no Reino de Nosso  Pai, que nos garante a felicidade eterna e inabalável.

Muita paz, do vosso irmão e amigo,

Cairbar de Souza Schutel.


Baixe o Texto em PDF 


 

Contamos com sua colaboração para aperfeiçoar e divulgar nosso trabalho!