Encontro 3 – Complexo de inferioridade e Cristianismo

Resumo

Existe um drama central na vida de cada espírito; uma caminhada que devemos realizar; um desafio que, ao ser vencido, tem como resultado nossa felicidade eterna. O desafio é viver em sintonia com Deus. Nesse caso do Evangelho, aprenderemos com a Mulher que Sangrava.


Participe

Contamos com sua colaboração para aperfeiçoar e divulgar nosso trabalho! 


Baixar áudio



Vídeo

Templo de Jerusalém


A mulher que sangrava


Imagens

Novo Testamento, tradução de Haroldo Dutra Dias, editora da Feb. É a única tradução feita do original grego para o português.

capa


Uma pintura simples, feita na parede de uma catacumba (cemitério) no período entre 300-350, retrata a cura da Mulher que sangrava.

800px-healing_of_a_bleeding_women_marcellinus-peter-catacomb

Fonte: Boundless. “Early Christian Art.” Boundless Art History Boundless, 04 Sep. 2016. Retrieved 09 Jan. 2017 from https://www.boundless.com/art-history/textbooks/boundless-art-history-textbook/the-romans-8/early-jewish-and-christian-art-76/early-christian-art-384-7659/

Música 

Música: Tubwayhun Layleyn D’khafnin W’tseyn – Bem aventurados os que tem fome e sede.

 


Música do tempo de Jesus e da Jerusalém do segundo templo. Reproduções com os instrumentos da época, cantadas em Aramaico com a pronúncia e os instrumentos da época do Cristo.

savae

Fonte: http://www.singers.com/group/San-Antonio-Vocal-Arts-Ensemble/

https://g.co/kgs/LGbYDm


Texto

Encontro 3 – Complexo de inferioridade e Cristianismo

Baixe o Texto em PDF

Existe um drama central na vida de cada espírito; uma caminhada que devemos realizar; um desafio que, ao ser vencido, tem como resultado nossa felicidade eterna.  O desafio é viver em sintonia com Deus, nosso Criador. As modas, os costumes sociais mudam de forma intensa. O valores tão amados  do orgulho grupal são feitos e desfeitos de uma forma avassaladora e por nos apegarmos a eles vivemos ansiosos, escravos da próxima moda que devemos adotar. Por optarmos precisar desesperadamente ser aceitos, ser reconhecidos como importantes, compreendidos e amados, deixamos de nos compreender, de nos dar atenção, de nos amar.

Oscar Wilde, o escritor, diz que  a moda é uma variação tão intolerável do horror que tem de ser mudada de seis em seis meses. Mas algo não muda, que é a ilusão que cada grupo tem de ser melhor do que os outros, seja ser o mais correto, o mais inteligente, superior de alguma forma, seja qual for.

Fora do direito consagrado pela lei humana, qual a base da justiça fundada sobre a lei natural?

O Cristo vos disse: “Querer para os outros o que quereis para vós mesmos”. Deus pôs no coração do homem a regra de toda a verdadeira justiça, pelo desejo que tem cada um de ver os seus direitos respeitados. Na incerteza do que deve fazer para o semelhante, em dada circunstância, que o homem pergunte a si mesmo como desejaria que agissem com ele. Deus não lhe poderia dar um guia mais seguro que a sua própria consciência.

Livro dos Espíritos, Allan Kardec, questão 876, capítulo IX – Lei de justiça, amor e caridade

Quando se trata de nossa relação com o Cristo, a influência do grupo que decidimos adotar ( e às vezes, adorar) pode ser brutal no sentido de nos distanciar do Mestre. E, longe deste amigo, nossa felicidade verdadeira, torna-se impossível.  Por que abrir mão da verdadeira alegria?

Nos inferiorizamos para sermos aceitos em uma sociedade infeliz e, assim, abrimos mão da felicidade real. Trocamos a paz e alegria constante pelos elogios entusiasmados, fama superficial, aplausos públicos que geram vazio. Resta a pergunta, vale a pena? Compensa? É o melhor caminho?

Vejamos a história de uma mulher submetida a mais intensa vergonha social, excluída e inferiorizada por conta de uma doença… Uma doença que a tornava impura física e espiritualmente. Ficou conhecida no Evangelho como a mulher que sangrava. Tinha um problema ginecológico, que a fazia sangrar continuadamente como se estivesse sempre menstruada. A questão aqui é grave, porque, em sua época, as mulheres no período menstrual eram proibidas de participarem das celebrações do templo por serem consideradas impuras.

O templo para os judeus é o símbolo mais sagrado de todos, é o local de especial para se ter contato com Deus. A Casa de Deus. Ela não poderia sequer tocar um sacerdote, símbolo do representante do Pai. O constrangimento da doença é imenso.

Ela está excluída do contato de tudo que, em sua sociedade, representava Deus. A ela não era socialmente permitido espiritualizar-se.

– Você não pode! Não vê sua condição de impureza! Diziam os defensores da “pureza” social.

Ela não apenas alguém  “fora de moda”, mal vestida e desatualizada, ela era alguém indesejável. Ninguém queria estar com ela e todos diziam, “você é impura, você deve se afastar das coisas sagradas, Deus não quer que você se aproxime Dele.”

Porém, o que ela vai fazer? Acomodar-se? Viver fingindo ser o que não é? Escondendo-se? Veja o que fez, foi ousada! É o que conta os relatos da época de Jesus.

Assim conta o Evangelho,

E uma mulher, que estava com um fluxo de sangue {há} doze anos, que muito havia padecido sob os cuidados de muitos médicos, gastando tudo quanto tinha; nada lhe aproveitando, mas tornando-se ainda pior.  Depois de ouvir a respeito de Jesus, enquanto vinha na multidão, por trás tocou na sua veste. Pois dizia: Se tocar apenas na sua veste, serei salva. 

Veja aqui que ideia radical! Ela estava proibida de ir ao templo orar, mas tem coragem de pensar que pode se curar ao tocar Jesus: o enviado de Deus, o maior representante de Deus no mundo!

Certamente, a maioria de suas amigas diriam.

– Você está doida! Não pode nem entrar na igreja e vai tocar um sábio profeta, um Raboni?!”

Às vezes, é melhor não seguir os amigos… Veja o que ela fez.

E imediatamente secou-se a fonte do seu sangue, e soube em seu corpo que estava curada do flagelo. 

Deu certo! Mas Jesus notou que alguém o tocou.  Será que Ele a vai repreender?! Vem aí um carão daqueles?!… Veja a cena!

Jesus, imediatamente, reconhecendo que havia saído uma energia de si mesmo, e voltando-se em meio à turba, dizia: Quem tocou nas minhas vestes? Diziam-lhe os seus discípulos: Vês que a turba está te comprimindo, e dizes: Quem me tocou? 

Jesus sentiu, mas os discípulos, viajaram na maionese! Tanta gente, qual a importância de quem encostou em ti?! Perguntaram eles. Às vezes, ele precisava ter paciência, uma paciênca de Cristo! Rs…

Certamente, vai me repreender de forma severa…  Pensou a mulher que o tinha tocado.

Ele olhava ao redor, para ver quem fizera isso. A mulher, atemorizada e trêmula, sabendo o que lhe havia acontecido, veio, prosternou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade. 

Nesse momento o povo pensava… Se deu mal… Só pode ser doida, sangrando, tocar um Raboni! Vai se dar mal. Vai ser apedrejada…

Ele, porém, lhe disse: Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz, e permanece curada do teu flagelo. 

Jesus permite que ela o toque e faz questão de tornar público. Por quê? Simples, nada pode nos impedir de tocar o Cristo. Nada pode nos impedir de tocar o Mestre. Ela não podia tocar as colunas do templo, mas o preconceito social não tem poder de nos afastar do Cristo. Ela tocou o Enviado de Deus e ele gostou de ser tocado por ela! O Mestre quis mostrar a todos que Seu amor não se prende a preconceitos sociais.

A mulher que sangrava não se acomodou com os preconceitos sociais. Ela reconheceu a própria necessidade e buscou o Mestre independente da opinião dos outros. Ousou, mesmo temendo. Isso é coragem.

Como está nossa escravidão em relação as tristes opiniões do mundo? Como está nossa submissão aos valores da Terra? Nos submetemos a tudo para sermos aceitos?

Se concordamos com valores doentes para sermos acolhidos, hoje, nossa condição é triste. Se distorcemos nossas melhores energias para sermos aprovados por um mundo infeliz que caminha para autodestruição emocional, nossa condição é triste, independe da superficial alegria que sentimos. Se adotamos as modas doentias para que nos aplaudam, triste é nossa condição.

Precisamos aprender com essa mulher que, apesar de toda vergonha social despejada nela, ela buscou Jesus para ser curada. E que bela frase a do Mestre: Vai em paz, e permanece curada do teu flagelo. É cura com garantia de validade! Como quem diz, fica bem, você não vai voltar a ter esse problema, ele não volta! Palavra de Cristo!

Pergunto-me, como é a relação do cristão sincero, que sempre é um verdadeiro iniciado, com a sociedade em que temporariamente vive? Penso que, ao se tratar de uma sociedade atrasada e doente como a nossa, ele adota a mesma postura do Cristo ao encarnar em nosso mundo, profundo carinho e compreensão e, também, total autonomia em relação aos valores e opiniões obscuras e doentias do mundo.

Por que ainda nos submetemos aos atuais valores doentios? Complexo de inferioridade é a resposta. Nos sentimos inferiores e para “esconder” essa dor, nos escondemos de uma forma estranha: tudo fazendo para sermos aceitos, aplaudidos ou pelo menos não condenados.

E por isso, rejeitamos nossa capacidade de nos curar, de superar nossas dores emocionais, de ser plenamente saudáveis. A mulher que sangrava já tinha sido tratada por todos os médicos e não perdeu a esperança da cura. Ela sabia, não devemos nos abandonar nunca! É preciso buscar, é preciso lutar para tocar o Cristo, que simboliza nossa vida plena. Estamos no meio da multidão do preconceito e do atraso moral, procuremos o Cristo.

A verdade é que, em nosso mundo, os ídolos de hoje, em grande maioria, são ou serão os suicidas do futuro. Almas tristes que se lançam a guiar o comportamento dos outros, por um breve momento, a custa da traição de si mesmos. É em meio a essa mutidão que se dá o nosso desafio, caminhar com os nossos medos, estender a mão, tocar o Cristo. Certamente, ele sorrirá ao ser tocado por nossas mãos que buscam a sua paz.

Para isso, precisamos inicialmente renunciar aos fanáticos valores de nossa sociedade  materializada, pois renunciar a um destino superior, que temos direito, é um ato infeliz. Encerro com uma reflexão proposta por um amigo espiritual: por que renunciar as belezas celestes para ser aprovado nas lamas  terrestres?

Exercício emocional

1. Acalme o corpo, respirando lentamente o tempo que for necessário.

Examine seu corpo, percebendo suas sensações. Sentindo o ar entrar e sair de seu corpo. Sinta-se bem. Permita-se sentir-se bem.

2. Com o coração em paz,  pergunte-se.

Em que momento, por me sentir inferior, afasto-me do Cristo?

3. Pegue lápis de colorir e desenhe.

Desenhe a cena que representa seu afastamento do Cristo por se sentir inferior, por achar que não merece…

4. Com o mesmo material, desenhe novamente.

Refletindo sobre o que você aprendeu, desenhe encontrando-se com o Cristo e sendo amparado/a, acolhida/o. Cole este desenho em um lugar que você possa ver.

Prática Emocional 

1. Faça um post do facebook ou Instagram ou um e-mail que expresse como o Cristo já te ajudou (pode ser algo simbólico, uma imagem, por exemplo);

2. Post ou envie para seus conhecidos. Muitos poderão se beneficiar de sua experiência.


Mensagem de Encerramento

Que a paz do Cristo, a alegria verdadeira e que nunca cessa, se instale em vossos corações.

Quem é essa mulher, doente e desprezada, senão o símbolo da própria sociedade humana que tinha muitos recursos e perdeu todos os recursos em busca da cura. Mas abençoada ela é, porque não gastou os recursos com o desperdício, com a maldade, com os vícios. Não. Ela passou doze longos e simbólicos anos buscando curar-se. Doze anos depois, em que ela tinha dado tudo o tinha que pela cura, ela alcança. Não é assim que deseja o Mestre? Que busquemos primeiro a cura e depois consigamos a cura, e muito mais? Não foi o próprio Mestre que nos disse: buscai primeiro o Reino de Deus e tudo o mais será vos dado como acréscimo?

E o símbolo da humanidade ferida, que se auto despreza, mas que possui recursos para investir na própria cura.

Meus irmãos e amigos, que se invista em vossa própria cura porque somente assim abrireis o espaço psíquico para que o Mestre vos cure quando o tocardes. É a lição que queremos destacar: é preciso investir tempo, é preciso investir esforço, é preciso investir energia na própria cura. Se assim o fizerdes com fé no Pai, o Mestre vos curará, não há nenhuma dúvida sobre isso, e vossa cura será permanente porque buscardes com o máximo de vossos recursos e com o máximo de vossa força.

Como fazer? Podeis me indagar. Escutai com atenção a música que vos sensibiliza, ouvi com carinho a melodia da natureza e, acima de tudo, agi no Bem. Porque é através da energia que gerardes no socorro e na tentativa de cura de vosso irmão que encontrareis o vosso mais eficaz remédio.

Muita paz, do vosso irmão e amigo de sempre,

Cairbar de Souza Schutel.


Baixe o Texto em PDF


Contamos com sua colaboração para aperfeiçoar e divulgar nosso trabalho! 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s