Conclusão

Aprendizado dos participantes

O que mudou em sua compreensão sobre a dor após o nosso estudo?

Ana

O estudo do significado da dor me trouxe uma nova visão diante das aflições pelas quais passei.

Compreendi, dessa vez não somente com a razão, mas sobretudo com o coração, que a dor não é injusta nem tem o objetivo de castigar, é, antes de tudo, um alerta para a compreensão de que algo em nossas atitudes está em desequilíbrio.

Sentir a necessidade e a beleza da dor como instrumento de nossa cura foi o grande presente que recebi com esse estudo. 

Camila

Eu posso dizer que eu tive várias compreensões sobre “A DOR” no decorrer de minha caminhada.

Num primeiro momento a percepção era bem grosseira, no sentido puro da palavra, ou seja, eu somente sentia a dor insuportável e angustiante que me atingia o ser sem piedade, ferindo todo o meu coração de criança.

Com o passar dos anos, gerou uma rebeldia imensa, para tentar me esconder dos problemas e fingir que estava tudo muito bem controlado, mas, por dentro o sentimento de desgraça, de um ser falido, ao qual, tudo dava errado, verdadeiro sentimento de miséria humana.

Me perguntava o porquê de tudo dar errado em minha vida: a família desestruturada, dificuldade em fazer e manter as amizades, relacionamentos que nunca davam certo, ansiedade, depressão e um vazio enorme por dentro.

Então, veio a descoberta da Doutrina Espírita e com ela uma percepção bem mais profunda sobre a dor.

Somente com o estudo da Doutrina Espírita e a reforma íntima eu comecei a compreender melhor a origem da dor e suas possíveis causas. Pude começar a mudar a minha visão e compreender a origem dos meus problemas, saindo da posição de vítima rebelde.

Porém, somente depois de iniciar o curso sobre a reencarnação, é que eu fui realmente começar a compreender o papel da dor em minha vida, e como ela foi e está sendo importante na minha transformação.

Esse conhecimento tem me auxiliado a olhar profundamente o meu ser e a me questionar sobre cada sentimento que surge em minha vida, como lidar com a dor quando ela surge. Também pude observar como a dor foi me transformando em uma pessoa mais sensível, com mais compreensão sobre a vida, respeito, a não julgar o outro, a aprender a desenvolver boas virtudes e também não me cobrar tanto, apenas sentir, o que me faz passar mais rápido por uma crise que anteriormente destruía todo o meu ser.

Gratidão!!!

Domingos

Minha compreensão sobre a dor se baseava em noções de vida e achava que era nos quem buscávamos as dores das quais passávamos. Procurando tirar sempre o melhor proveito, me guiando para o caminho da compreensão, de como agir, pois, apesar de estar emocionalmente machucado, não queria dar vazão aos sentimentos de ódio, rancor e guardar ressentimento. Foi neste contexto que assistindo uma palestra, o assunto explanado corroborou com o que eu pensava. Dizia o palestrante: “A Dor é algo que não está nos desígnios de Deus”.

Hoje tenho outra visão da Dor, ela não só é permitida por Deus como faz parte da nossa evolução, pois nos impulsiona para o melhor ou pior caminho. Só depende de nós termos o discernimento de escolhemos o caminho certo.
 

 

Monique

Toda teoria é bonita e gentil, difícil é o momento da prova prática quando sem rodeios ou enganações já não temos como fugir. A dor é assim, fugimos,  nos escondemos , brigamos , negamos , nos revoltamos , até que por fim ela nos encontra novamente. 

E esse estudo foi exatamente isso, me levou para um passado tão distante que nem me lembrava mais, me obrigou a ver dores antigas que ainda insistiam aqui dentro em gotejar, mesmo que a todo custo eu tentasse estancar. Me obrigou a sentir que é necessário encarar de frente, admitir e por fim pedir ajuda para curar. Com certeza também não é fácil limpar feridas fétidas e profundas, mas para quem deseja, a cura verdadeira, essa limpeza se faz extremamente necessária, com carinho e cuidado. Com certeza o curso me abriu um horizonte de amor e gratidão me ensinando que a dor não é uma inimiga, mas um profundo instrumento nas mãos de Deus para nossa evolução. Graças aos ensinos, sei que o melhor é me preparar de forma séria e profunda, para quando minha velha conhecida dor chegar, tal qual uma convidada indesejada, eu esteja preparada e munida de compreensão e paciência para recebê-la. E em contrapartida me aproveitar dessa visitante indesejada, mas necessária, para extrair os maiores ensinamentos possíveis.