Educação Espírita: um Convite à Juventude – 06 – Anjo das Coletividades

Resumo

Refletimos sobre a atuação dos anjos guardiões das coletividades em geral e, em particular, o povo hebreu e a nação brasileira.


BAIXAR 1     BAXIAR 2


Educação Espírita: um Convite à Juventude

Módulo 3

Encontro 06 – Anjo das Coletividades

Diálogo Mediúnico

Agradecemos a sua presença, amiga Patrícia, com muita alegria e muita satisfação.

1ª pergunta: Como primeira pergunta, existem anjos guardiões de coletividades?

A tarefa dos anjos guardiões, como expusemos em nossos diálogos anteriores, se desdobra e se amplia em uma riqueza de detalhes e complexidades que apenas uma mente educada pelo Espiritismo e uma emoção sublimada poderia entender.

Há uma multiplicidade de tarefas que podemos classificar como tarefas de anjos da guarda, pois os anjos guardiões estendem a sua ação, minha amiga, não apenas para os indivíduos, mas para as pequenas e grandes coletividades humanas. E posso já, antecipando diálogos futuros, afirmar que existem os anjos guardiões também dos outros reinos da natureza. As florestas, as plantas, os animais, as espécies particulares possuem também espíritos que velam por elas, que as protegem e que as amam. Portanto, merecem também o título de anjo guardião.

2ª pergunta: Qual o objetivo do anjo guardião de uma coletividade?

Em certa medida, podemos dizer que é o mesmo do anjo guardião individual: guiar a coletividade ao coração do Mestre que irá levar até Deus. Mas, para isso, para cumprir esse objetivo específico, muitos aspectos particulares têm que ser considerados.

O anjo guardião de espíritos da época do homem de neandertal que guiava, que guiava esse grupos, não tem os mesmos desafios, por exemplo, de um espírito guia de um grupo de cientistas destinados a realizar uma descoberta relevante para humanidade.

O anjo guardião de espíritos que veem ao mundo com uma tarefa de espiritualizar a Terra não é o mesmo, não lida com as mesmas questões, que o anjo guardião de uma tribo da Amazônia, por exemplo.

Portanto, embora o objetivo seja o mesmo, impulsionar a evolução em direção ao Cristo, no caso da Terra, e a Deus, no caso de todos os mundos, a forma de agir, os meios e métodos serão sempre específicos dado a característica do grupo que o anjo tutelar é o responsável.

3ª pergunta: Esse anjo pode ser, ao mesmo tempo, um anjo da guarda de uma coletividade e anjo da guarda de um indivíduo em particular?

É o mais comum, porque o espírito guardião, que se tornou o protetor de uma coletividade, iniciou a sua tarefa milênios atrás cuidando de indivíduos. Então encontrareis esse fato como sendo o mais frequente. Os anjos tutelares da coletividade cuidam, ao mesmo tempo, de indivíduos específicos e da coletividade em geral, embora isso não seja de nenhuma forma regra obrigatória e absoluta.

4ª pergunta: Como se dá a relação entre o anjo da guarda de uma coletividade e os anjos da guarda de indivíduos?

O anjo da coletividade poderá muitas vezes solicitar o auxílio direto de anjo da guarda de determinados indivíduos pelo o papel que eles podem exercer na coletividade. Didaticamente darei um exemplo. Um grande governante terá o seu anjo guardião que não necessariamente será o anjo guardião da coletividade, porém, o anjo da coletividade irá participar de todo o processo de reencarne desse indivíduo e irá ter contato constante com o anjo guardião desse indivíduo para que, agindo assim, ele possa direcionar os aspectos da conduta desse indivíduo encarnado que irão afetar de forma mais profunda a coletividade, que é seu objetivo e objeto de sua preocupação maior.

Em outros casos, por exemplo, em casos de problemas coletivos graves o anjo da guarda da coletividade convoca reuniões e encontros com os anjos guardiões. Muitas vezes, esses encontros reúnem centenas e mesmo milhares de espíritos para dar-lhes orientações específicas. Em muitos casos, como é o momento atual, os anjos guardiões de coletividade voltam sua atenção para o grave problema do suicídio. Então, são realizados encontros do anjo tutelar coletivo com o anjo tutelar de indivíduos para passar orientações e elaborarem estratégias específicas para que, se não for possível erradicar o problema, minimizar seus efeitos e também organizarem-se no que se refere a providências de socorro.

5ª pergunta: No caso do povo judeu, coube ao anjo guardião dessa coletividade prepará-la para receber Jesus?

Com toda certeza. Imagine que nobre tarefa desse amigo anjo do povo judeu antes da época do Cristo. Estruturar um povo embrutecido de sentimento e de mente para acolher o amor em forma humana. Uma tarefa de milênios. Talvez seja o exemplo que mais evidencia aos vossos olhos o trabalho de um anjo tutelar de uma coletividade, porque quando ele inicia sua tarefa sequer, minha amiga, existia um grupamento que pudesse ser chamado de nação hebraica.

Ele forma a própria nação, ele congrega indivíduo de outros grupos formando, ao longo dos séculos, um grupo com características específicas e, a partir desse momento, inicia um processo educativo que dura muitos e muitos séculos preparando este povo para receber o próprio governador do planeta.

6ª pergunta: Se sim, no caso, como foi realizado todo esse processo de preparação?

Um dia, esperamos com esperança, teremos a oportunidade e as condições de transmitir para vocês em minúcias todo esse processo. Imagine, minha amiga, um processo de planejamento coletivo que envolve o planejamento detalhado do reencarne de cada profeta. Espíritos grandiosos que veem cumprir uma pequena etapa de um imenso planejamento. Imagina, o estudo das características das imagens mais poderosas que cada profeta tinha por missão fazer instalar no psiquismo de um povo. Imagens fortes, imagens suaves. Imagine a atuação de cada profeta contribuindo para a educação desta alma coletiva, muitas vezes, com ditos e palavras fortes; outras vezes, com experiências profundas para abalar a alma de um povo que deveria se tornar dócil para receber o cordeiro de Deus.

É um quadro imenso, que exigirá de nós, no futuro, condições muito particulares para que possamos desenvolver o estudo, de forma lúcida e razoável, de todo esse planejamento, século a século, destacando o comportamento destas pessoas, de homens e mulheres, que deixaram a sua marca na alma coletiva desse grupamento e como tudo isso está relacionado a dulcificação dos corações para que eles pudessem estar aptos, não apenas a entender, mas principalmente a sentir, a mensagem do Cristo.

7ª pergunta: No caso do Brasil, qual a relação entre a missão do país e a ação do seu anjo da guarda coletivo?

Vejamos que paralelo importante vocês fazem ao me perguntar isso.

Ao anjo guardião do povo judeu foi dada a tarefa de preparar aqueles indivíduos para entenderem e receber em seus corações o Cristo. Ao anjo guardião da nação brasileira, o abnegado e nobre espírito Ismael, de mesma tradição, é delegada uma tarefa semelhante: congregar pessoas de diferentes nações para formar uma nova nação e receber o Cristo na Terra sob a forma de Consolador. Não parece algo extremamente semelhante, minha amiga? Não é isso fruto de um planejamento sábio do Mais Alto? Não é este o desejo de um coração e de um olhar que atravessa os milênios do passado e os milênios do futuro em sua sabedoria divina? É o mesmo projeto, minha amiga.

É importante que os brasileiros entendem isso. São eles os novos judeus, sendo composto do amálgama de diferentes nações, como foi o povo judeu. Enfrentando as amarguras do deserto, agora do deserto e dos espinhos emocionais. E como o povo judeu, terão uma postura respeitada pela lei divina. Acolherão ou não a luz do Mestre do mundo? Se tornarão doces aos ensinos do Senhor ou serão, mais uma vez, os polemizadores, os guerrilheiros, os debatedores que irão fechar seu sentimento ao convite da caridade verdadeira? É a mesma tarefa.

Portanto, não vos espanteis que o espírito responsável por essa tarefa seja um espírito de profunda atuação na formação da nação judaica. Porque, cabe a ele, mais uma vez, com sua paciência e ternura profunda, com sua simplicidade verdadeira e com sua vontade inquebrantável, acolher povos diversos e educar corações para que aprendam a sentir a mensagem do cordeiro de Deus.

Conclusão: Muito obrigada amiga Patrícia. Agora deixamos o espaço para a mensagem de encerramento.

Nosso pedido, nesse instante em que os brasileiros resolveram atuar socialmente, esquecendo-se do Evangelho, é que, a vocês, espíritas e pessoas que tem uma compreensão espiritual da vida, é que atuem de maneira evangélica.

Nosso país passa por graves conturbações emocionais. É necessário que cada um busque sintonizar com o guia espiritual da nação. É necessário que cada um observe em si antes de condenar o outro. Se o criminoso carece de punição, carece ainda mais de compreensão.

Quantos de vocês, meus irmãos e minhas irmãs, têm orado por esses espíritos hoje desmascarados, vítimas da própria ganância? Quantos de vocês tem orado para que o arrependimento toque os seus corações? Não precisa ser agora o arrependimento poderá vir daqui a milênios. Não importa. O que importa agora é que a tua oração seja imediata, que a tua compaixão esteja presente no momento atual. Porque a cada um caberá decidir a acolhê-la ou não.

Meus irmãos e minhas irmãs, que são espíritos convocados das mais diversas regiões do planeta para formarem a nova nação do Evangelho, estão vocês agindo como fariseus a aclamar em praça pública o apedrejamento? Ou estão vocês agindo como cristãos que se recusam a atirar a pedra da condenação sem olhar o próprio coração? Estão vocês agindo como aquele trabalhador fiel que sob sol e chuva permanecem fiéis ao dever? Ou estão vocês, e isso nós observamos que a grande maioria está fazendo, usando a torpeza do outro para desculpar as próprias falhas morais? É grave a postura psíquica do povo brasileiro, nesse instante, que apenas reclama e que apenas condena. Quantos estão buscando a misericórdia de Deus? Quantos estão sentindo a Verdade? A grande parte dos espíritos que aqui estão são criminosos do passado, porque, mais uma vez, solicita o Cristo que Ismael reúna os criminosos arrependidos ou com possibilidades reais de arrependimento para formar a nação do Evangelho.

Meus filhos, não é com a condenação e com a revolta que se constrói o Bem, meus filhos, é com amor ativo, é com a punição que educa, é com a luta íntima, para que saia do vosso coração a ternura evangélica. Porque, se a nação brasileira se tornar uma mera justiceira, como se tornou a nação judaica, ela não será capaz de acolher em seu coração coletivo as vibrações do Mestre. Porque a justiça se esgota, incapaz de construir a felicidade, se ela não estiver impulsionada pelo amor.

Mais uma vez, a nação que tem por obrigação recolher o Evangelho do Cristo, corre o risco de se tornar apenas um grupamento de justiceiros insensíveis. Por isso, nós transmitimos a vocês, essa mensagem que nos solicitou o querido amigo Bezerra de Menezes, dizendo: busquem intensamente uma justiça amorosa, uma justiça compassiva. Porque, se não, meus filhos, vocês se tornarão os novos judeus da Terra, espíritos que lutam apenas pela justiça sem amor e que se perdem no labirinto de suas batalhas, e não conseguem enxergar a maior luz do mundo, que veio trazer, acima de tudo, a misericórdia aos corações, Jesus de Nazaré.

Muita paz a todos, de vossa irmã e amiga, Patrícia.

Livro dos Espíritos

519. As aglomerações de indivíduos, como as sociedades, as cidades, as nações, têm os seus Espíritos protetores especiais?

— Sim, porque essas reuniões são de individualidades coletivas que marcham para um objetivo comum e têm necessidade de uma direção superior.

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s