PodSim 106 – Compaixão e Budismo

Resumo

O príncipe Siddhartha vivia repleto de prazeres e belezas, amado, servido por todos, tinha tudo o que deseja em seus palácios. Um dia, descobriu a dor e o sofrimento e essa descoberta o guiou em uma busca espiritual que culminou em sua transformação em Buda, um patamar evolutivo superior.



Baixar Áudio opção 01

Baixar Áudio opção 02

Mensagem Encerramento

Que o Cristo toque ao coração de todos vocês, queridos amigos, queridas amigas, que começam a compreender a grandeza da vida.

Não esqueçam nunca: Cristo é amor, e amor une a todos, amor integra a todos, amor faz que a beleza de cada coisa do universo: uma folha, uma formiga e um ser como o príncipe Sidarta, se mostrem belo aos vossos olhos. O Cristo é a luz que faz brilhar o melhor de cada ser desse planeta, filhos, nunca esqueçam disso. Cada coisa vista sob a inspiração do Cristo se torna mais bela. Não que se torne mais bela por mágica, mas que com inspiração do Cristo vocês conseguem ver melhor. Esta é a verdade, porque cada um vê segundo a vibração que possui, como a luz que ilumina segundo a sua vibração, a vibração da sua onda. A consciência também percebe segundo o seu estado evolutivo. Porém, quando a sua consciência sintoniza com Cristo, ela vê mais verdadeiramente, e quem vê mais verdadeiramente, vê muito muito mas beleza.

Vejam que só há uma doutrina, o que em nosso plano chamamos, desde muito tempo atrás, Doutrina Secreta, doutrina dos grandes e verdadeiros iniciados ao longo do tempo. Não é nada de novidade para essa doutrina, porque ela entende que há uma só lei e que essa lei é expressa é em fragmentos por cada ser. Um pequeno inseto, ele também é expressão desta lei. Um imenso dinossauro, ou baleia, ou animal imenso é também expressão dessa lei. Cada ser humano é uma expressão muito mais consciente dessa lei. Mas ser expressão não significa ser a lei, significa expressar uma parte. Isso é fundamental entender para que arrogância e orgulho não façam vocês desprezarem o que é fragmento, porque, sabemos, só Deus não é fragmento. Cada um de nós é um fragmento de Deus, cada um de nós é uma expressão da beleza do pai, inteira em si, mas limitada em relação ao infinito.

Portanto, filhos, não pensem que devemos desprezar qualquer coisa por não ser completa e plena, não. Busquemos a beleza que ela expressa, busquemos a plenitude que ela é capaz de nos trazer. Fazendo isso, filhos, conseguimos sentir Deus em tudo, conseguimos sentir paz em qualquer circunstância, porque conseguimos observar tudo o que é transitório. Quando observamos um ser maligno das trevas vemos toda a maldade dele, mas conseguimos ver que aquela maldade é transitória e conseguimos também ver o anjo que ali se forma para sempre. Penso que essa é uma forma de entender os ensinamentos do Sidarta: separar o que é transitório do que é perene e do que é eterno.

A divindade que você carrega filho, a divindade que você carrega filha é eterna. Suas angústias, conflitos e erros, são transitórios. Se você aceita isso, seu coração se enche de paz, porque você passa a aceitar Deus em seu coração e Deus sempre estará. O erro não estará sempre, o vício não estará sempre, a maldade não estará sempre. Deus estará sempre.

Saber separar transitoriedade de eternidade é essencial para a paz do espírito. E se você pode aprender isso, não me interessa com quem, se com o Mestre dos mestres, se com o Sidarta, se comigo, se com um livro qualquer, não é importante. O importante é você sentir isso todas as horas.

Isso que ensina a Doutrina Secreta. Não é importante como você aprendeu, em que fonte. Mas é importante que você tenha aprendido de maneira verdadeira. Quem aprende de maneira verdadeira, aprende para sempre. E, um dia, aquela fonte não estará mais lá, e um dia, livros do budismo não existirão, e um dia, livros do cristianismo não existirão, mas o Buda e o Cristo estarão em você, porque você aprendeu de verdade.

Paz, do amigo espiritual de sempre.

Categories: PodSim

Deixe uma resposta