Nossa percepção e os elementos do universo – Série Livro dos Espíritos- Nova Geração 140

Estudamos as questões 27 a 32 de O Livro dos Espíritos para entender como nossa percepção do universo e de nós mesmos.


Baixar Áudio opção 1     Baixar Áudio opção 2


Nossa percepção e os elementos do universo – Nova Geração 140

Livro dos Espíritos

Baixar: http://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2012/07/135.pdf

27. Haveria, assim, dois elementos gerais do Universo; a matéria e o espírito?

Sim, e acima de ambos Deus, o Criador, o pai de todas as coisas. Essas três coisas são o princípio de tudo o que existe, a trindade universal. Mas, ao elemento material é necessário ajuntar o fluido universal, que exerce o papel de intermediário entre o espírito e a matéria propriamente dita, demasiado grosseira para que o espírito possa exercer alguma ação sobre ela. Embora, de certo ponto de vista, se pudesse considerá-lo como elemento material, ele se distingue por propriedades especiais. Se fosse simplesmente matéria, não haveria razão para que o espírito não o fosse também. Ele está colocado entre o espírito e a matéria; é fluido, como a matéria é matéria; susceptível, em suas inumeráveis combinações com esta, e sob a ação do espírito, de produzir infinita variedade de coisas, das quais não conheceis mais do que uma ínfima parte. Esse fluido universal, ou primitivo, ou elemento, sendo o agente de que o espírito se serve, é o princípio sem o qual a matéria permaneceria em perpétuo estado de dispersão e não adquiriria jamais as propriedades que a gravidade lhe dá.

27-a. Será esse fluido o que designamos por eletricidade?

— Dissemos que ele é susceptível de inumeráveis combinações. O que chamais fluido elétrico, fluido magnético são modificações do fluido universal, que é, propriamente falando, uma matéria mais perfeita, mais sutil, que se pode considerar como independente.

28. Sendo o espírito, em si mesmo, alguma coisa, não será mais exato, e menos sujeito a confusões, designar esses dois elementos gerais pelas expressões: matéria inerte e matéria inteligente?

As palavras pouco nos importam. Cabe a vós formular a vossa linguagem, de maneira a vos entenderdes. Vossas disputas provêm, quase sempre, de não vos entenderdes sobre as palavras. Porque a vossa linguagem é incompleta para as coisas que não vos tocam os sentidos.

Um fato patente domina todas as hipóteses: vemos matéria sem inteligência e um princípio inteligente independente da matéria. A origem e a conexão dessas duas coisas nos são desconhecidas. Que elas tenham ou não uma fonte comum e os pontos de contato necessários; que a inteligência tenha existência própria, ou que seja uma propriedade, um efeito; que seja, mesmo, segundo a opinião de alguns, uma emanação da Divindade, é o que ignoramos. Elas nos aparecem distintas, e é por isso que as consideramos formando dois princípios constituintes do Universo. Vemos, acima de tudo isso, uma inteligência que domina todas as outras, que as governa, que delas se distingue por atributos essenciais: é a esta inteligência suprema que chamamos Deus.

III PROPRIEDADES DA MATÉRIA

29. A ponderabilidade é atributo essencial da matéria?

– Da matéria como a entendeis, sim; mas não da matéria considerada como fluido universal. A matéria etérea e sutil que forma esse fluido é imponderável para vós, mas nem por isso deixa de ser o princípio da vossa matéria ponderável.

A ponderabilidade é uma propriedade relativa. Fora das esferas de atração dos mundos, não há peso, da mesma maneira que não há alto nem baixo.

30. A matéria é formada de um só ou de muitos elementos?

— De um só elemento primitivo. Os corpos que considerais como corpos simples não são verdadeiros elementos, mas transformações da matéria primitiva.

31. De onde provêm as diferentes propriedades da matéria?

— Das modificações que as moléculas elementares sofrem, ao se unirem, e em determinadas circunstâncias.

32. De acordo com isso, o sabor, o odor, as cores, as qualidades venenosas ou salutares dos corpos não seriam mais do que modificações de uma única e mesma substância primitiva?

— Sim, sem dúvida, e só existem pela disposição dos órgãos destinados a percebê-las.

Esse princípio é demonstrado pelo fato de nem todos perceberem as qualidades dos corpos da mesma maneira: enquanto um acha uma coisa agradável ao gosto, outro a acha má; uns vêem azul o que outros vêem vermelho; o que para uns é veneno, para outros é inofensivo ou salutar.

Mensagem de Encerramento

Que o Cristo nos ajude a entender esta questão tão complexa e tão bela: o universo, o infinito, o centro da criação.

Deus, esse ser plenamente poderoso, que domina trilhões e trilhões de universos, tudo cria, tudo mantém, tudo sustenta e faz desdobrar infinitamente. A partir de dois singelos elementos: isto é muito impressionante, quando começamos a comparar as grandezas da criação com duas coisas, dois mundos, duas unidades: unidade espírito, unidade matéria.

Isso deve fazer espíritos encarnados entenderem que tudo para ser criado, desenvolvido, com sintonia no criador, deve ser simples. Não é uma lição interessante? Deus faz tudo com duas coisas. Muito interessante! Porque Espírito pensa, para fugir de si mesmo, que tudo muito complexo. Não! Duas coisas. Espírito da Verdade em o Evangelho Segundo o Espiritismo ensina: duas coisas são necessárias para ser salvo, para crescer, para encontrar Deus. Não é interessante ser sempre poucas coisas…

Em outra mensagem, Espírito de Verdade também pede duas coisas. Numa ele diz, espíritas amai-vos – espíritas instrui-vos. Só pede duas coisas, não pediu cinquenta ou trezentas obrigações… Quando indivíduo toma posse real de poucos e preciosos valores, todo o restante se clareia, ilumina. Tudo fica fácil, tudo se torna compreensível. Se o próprio Criador construiu o universo apenas com duas coisas, porque vocês querem tanto?

Kardec cria a maravilhosa Escala Espírita – que está ainda esperando ser desenvolvida pelos que se dizem da área de saúde e são espíritas, mas que não fazem nada… Mas os novos farão, desenvolverão a escala espírita, com certeza! – e qual o princípio da escala espírita? Duas coisas: inteligência e emoção. Muito interessante… Sábios inspiram-se em Deus, tolos inspiram-se em outros tolos.

São símbolos tão importantes Adão e Eva. Eles que simbolizam a humanidade e a serpente, que também pode ser entendida como a complexidade desnecessária. Diz a serpente: vamos complicar, porque complicar é o disfarce da revolta, é a mentira, é o engodo, é o erro…. Diz o Cristo: falar sim, sim, não, não. Pronto! Regra simples. Importante aprender simplicidade. Se Deus tudo cria com duas coisas, porque vocês exigem tantas coisas para fazer tão pouco? Deus criou o universo e o infinito com duas coisas.

Às vezes vemos trabalhadores dizendo: eu preciso disto e daquilo para ajudar um pouco. Aqui nós brincamos: somos os trabalhadores deficitários, são aqueles que dão mais trabalho do que ajudam, mas continuam a serem amparados, porque, um dia, esperamos que contribuam. Ainda não contribuem, porque mobiliza tanto trabalho para fazer alguma coisa que, no final, é mais um necessitado… Não há problema, porque se ele continua, nós ficamos felizes, pois vai aprender a viver com simplicidade.

Isto deve tocar os seus corações, pensar em tudo com cuidado, a complexidade muitas vezes é simplesmente vaidade. É perda de tempo seu e do próximo. Pensem, verdadeiramente, se tornarem simples. Se o Cristo quisesse, quantas coisas poderia ter dito a vocês que até hoje vocês nada teriam entendido nada? Tudo aquilo que parece complexo ou é falso ou vocês não perceberam a simplicidade.

Vocês podem dizer: ah… Mas o livro Apocalipse é complexo. Não é, filhos, é simples. Mas vocês precisam ver antes a simplicidade e entenderão tudo. Quem quer se enlamear em falsas complexidades, nunca entenderá a palavra de Deus. Este é o símbolo do Apocalipse, em forma de literatura. Aqueles que vão ler: ah… Eu sou muito inteligente, vou entender o que ninguém entende, confunde-se. Quem olhar este livro com o coração simples entenderá.

Muitos exemplos estou dando para que vocês vejam a amplitude e o valor da simplicidade. Simplicidade em tudo. Grandes revelações precisam de simplicidade, como nasceu a Doutrina Espírita? De duas coisas: perguntas e respostas. Simplicidade!

O Cristianismo marca a nova era para todos. Quando chegou, ninguém dava valor, nos primeiros séculos, mesma coisa o Espiritismo, embora os números sejam maior. Em pouquíssimos séculos, a Humanidade vai seguir por meio dos princípios estudados por Kardec. Não há dúvida, que os revoltados complexos não estarão mais na Terra, não há duvida.

Uma coisa quero dizer: simplicidade de coração leva a compreensão do universo. Tudo que vocês vêem, tocam, sentem… Tudo, todos as expressões da natureza, tudo que existe em sociedade, tudo que existe em tecnologia tem apenas isso: matéria e Espírito.

Entendam isto e peçam a Deus a compreensão simples e verdadeira para tudo e tudo vocês entenderão.

Muita paz,

Do amigo espiritual de sempre.

Deixe uma resposta