Nova Geração #179 – O amor dos mortos

Nosso amores e paixões pela arte, pela ciência, por nossa profissão e atividades sociais continuam após o desencarne? Esse é o tema que Kardec aborda com a equipe espiritual da codificação espírita.

Baixar Áudio


Parnaso de Além Túmulo

De pé, os mortos!

Pede-me você uma palavra para o intróito do “Parnaso de Além-
Túmulo”, que aparecerá brevemente em nova edição.

A tarefa é difícil. Nas minhas atuais condições de vida, tenho
de destoar da opinião que já expendi nas contingências da carne.

Os vivos do Além e os vivos da Terra não podem enxergar as
coisas através de prismas idênticos. Imagine se o aparelho visual
do homem fosse acomodado, segundo a potencialidade dos raios
X: as cidades estariam povoadas de esqueletos, os campos se
apresentariam como desertos, o mundo constituiria um conjunto
de aspectos inverossímeis e inesperados.

(…)

Na atualidade, afigura-se-nos que os brados de todos os sofredores
e infelizes da Terra se concentram numa súplica grandiosa
que invade as vastidões como o grito do valoroso almirante.
– De pé, os mortos!… – exclama-se – porque os vivos da Terra
se perdem nos abismos tenebrosos.

Humberto de Campos (Esprito)


Livro dos Espíritos – Parte 2. Capítulo VI.

Recordação da existência corporal.

315. Aquele que deixou trabalhos de arte ou de literatura conserva pelas suas obras o amor que tinha quando vivo?
“Conforme sua elevação, ele os aprecia sob um outro ponto de vista e condena, com frequência, o que mais admirava.”

316. O espírito ainda se interessa pelos trabalhos que se realizam, na Terra, pelo progresso das artes e das ciências?
“Isto depende de sua elevação ou da missão que pode ter que desempenhar. O que vos parece magnífico representa, frequentemente, bem pouca coisa para certos espíritos; eles o admiram, como o sábio admira a obra de um estudante. Ele examina o que pode provar a elevação dos espíritos encarnados e seus progressos.”

317. Os espíritos conservam, depois da morte, o amor pela pátria?
“O princípio é sempre o mesmo: para os espíritos elevados, a pátria é o Universo; na Terra, ela está onde houver mais pessoas que lhes sejam simpáticas.”

A situação dos espíritos e sua maneira de ver as coisas variam ao infinito, em razão do seu desenvolvimento moral e intelectual. Os espíritos de uma ordem elevada, geralmente, fazem na Terra, apenas estadas de curta duração; tudo o que nela se faz é tão mesquinho, em comparação com as grandezas do Infinito, as coisas às quais os homens atribuem mais importância são tão pueris, aos seus olhos, que eles aqui encontram poucos atrativos, a menos que para cá sejam chamados, tendo em vista concorrer para o progresso da Humanidade. Os espíritos de uma ordem mediana aqui permanecem mais frequentemente, embora considerem as coisas de um ponto de vista mais elevado do que quando encarnados. Os espíritos comuns aqui estão, de certa forma, sedentários e constituem a massa da população ambiente do mundo invisível; eles conservaram quase as mesmas ideias, os mesmos gostos e os mesmos pendores que possuíam, quando estavam sob seu envoltório corporal; eles se imiscuem em nossas reuniões, em nossos negócios, em nossos divertimentos, nos quais tomam parte mais ou menos ativa, conforme seu caráter. Como não podem satisfazer suas paixões, saciam-se junto àqueles que a elas se entregam e os excitam para mantê-las. Entre eles, há outros mais sérios, que veem e observam para se instruir e se aperfeiçoar.

318. As ideias dos espíritos se modificam no estado de espírito?
“Muito; elas sofrem modificações muito grandes, à medida que o espírito se desmaterializa; ele pode, algumas vezes, permanecer durante longo tempo com as mesmas ideias, mas, pouco a pouco, a influência da matéria diminui e ele vê as coisas mais claramente; é então que procura os meios de se melhorar.”

319. Visto que o espírito já viveu a vida espiritual, antes de sua encarnação, a que se deve seu espanto ao reingressar no mundo dos espíritos?
“Isto é apenas o efeito do primeiro momento e da perturbação que se segue ao despertar; mais tarde, ele se reconhece perfeitamente, à proporção que a lembrança do passado lhe volta e que a impressão da vida terrestre se apaga.” (Ver questão 163 e seguintes.)

 


 

Mensagem de Encerramento

Meus filhos, que a paz do Cristo esteja em todos os corações, ensinando carinhosamente, passo a passo, pouco a pouco, o caminho da redenção que cada um de vocês precisa trilhar no dia de hoje.

Podemos conversar bastante sobre a arte na espiritualidade, mas, hoje , gostaria de conversar com vocês sobre uma arte diferente: a arte do relacionamento humano. É preciso, filho, perguntar-se que obra de beleza você está construindo no coração do outro, que obra de harmonia você está construindo na mente daqueles que estão ao redor de ti. Não falo de simpatias fúteis e estúpidas. Não falo de alegrias tolas, falo de energias que penetram outro ser. Todos vocês produzem energias que penetram nas outras pessoas. E ali, alteram aquele ser. Principalmente na Terra, com espíritos tão tolos e tão invigilantes.

Filhos, esta é uma obra da qual receberão a crítica da própria consciência, esse tipo de obra irá refletir de volta para o coração de vocês. Uma beleza sublime ou uma energia torpe e tenebrosa.

Filhos, aqui na Terra, nós vemos como que seres inferiores, estimulam uns aos outros no caminho da auto-degradação. Vocês, que conhecem verdades espirituais, devem entender que precisam tornar-se centros de energias impulsionadoras para todos os seres que estão em volta de vocês. Eu não falo de pregação ruidosa, não falo de estar toda hora conversando sobre isto, sobre aquilo, falo do ponto de vista energético. Numa sala de aula, reunião de trabalho, no transporte, no trânsito, o que são vocês? Centros dinamizadores da loucura e do desequilibro ou pólos espargidores de harmonia e de luz. Porque um dia, todas estas energias formarão uma imagem. Todas estas energias irão compor um quadro imenso, belo e complexo, se vocês se tornarem este ponto de espraiamento energético superior. Como fazer isto? Orando, filhos, harmonizando-se logo ao acordar, uma compreensão superior da vida e acima de tudo, sabendo que um dia vocês olharão para os próprios sentimentos e por isto, por querer ver algo belo e nobre, vocês hoje tem de ter esta consciência.

No futuro, verei como estou influenciando estas pessoas, verei como estou construindo uma relação energética com estes milhares de seres que cruzam a minha vida constantemente. E em nome do Cristo, eu quero colaborar, porque um dia quero ver um quadro belo e lindo.

Vocês pensam: espírito desencarnou e encontrou os outros espíritos. É verdade, mas é muito mais do que isto. Quando se vê aqueles seres a quem sinceramente projetamos boas energias, não é apenas uma lembrança, é uma retribuição natural que está nas Leis Divinas, sentirmos multiplicadamente todas as energias que doamos com espontaneidade. Por isto diz o Mestre: aquele que desenvolve no solo do coração a boa semente, sempre recebe 60, 80 ou 100 por um. Quer dizer: cada vibração abnegada se multiplica por dezenas de vezes. Imagine a alegria que você poder sentir um dia, naturalmente, recebendo de volta energias de uma vida vivida na Terra com uma consciência superior.

Que Deus abençoe a todos,

O amigo espiritual de sempre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s