Nova Geração 262 – Amparo Libertador

Livro dos Espíritos

499. O espírito protetor está, constantemente, com seu protegido? Não haverá alguma circunstância em que, sem abandoná-lo, ele o perca de vista?

“Há circunstâncias em que a presença do espírito protetor junto de seu protegido não é necessária.”

500. Haverá um momento em que o espírito não precise mais de anjo guardião?

“Sim, quando tiver chegado ao grau de poder conduzir-se por si mesmo, como há um momento em que o estudante não precisa mais de mestre; mas isto não acontece na Terra.”

501. Por que a ação dos espíritos sobre nossa existência é oculta e por que, quando nos protegem, não o fazem de uma forma ostensiva?

“Se contásseis com o apoio deles, não agiríeis por vós mesmos e vosso espírito não progrediria. Para que ele possa se adiantar, precisa de experiência, e, frequentemente, tem de adquiri-la à sua custa; é preciso que exercite suas forças, sem o que, seria como uma criança que não deixassem caminhar sozinha. A ação dos espíritos que vos querem bem é sempre regulada de maneira a vos deixar vosso livre-arbítrio, pois, se não tivésseis responsabilidade, não avançaríeis no caminho que deve conduzir-vos a Deus. O homem, não vendo seu protetor, entrega-se às suas próprias forças; todavia, seu guia vela por ele e, de tempos em tempos, chama-lhe a atenção para que se previna do perigo.”



Mensagem de encerramento

Queridos filhos e filhas,

É muito bonito quando nós vemos vocês quererem assumir as responsabilidades de suas vidas. Não ir pela cabeça dos outros. Pensar consigo mesmo e consultar o anjo guardião para saber o melhor caminho, porque isto precisa estar claro: vocês são responsáveis pelo tipo de influência que escolhem.

Temos visto tantas pessoas se perturbarem, espíritas que preferem muito mais como vocês dizem: seguir o conselho do que está na moda, como dizem vocês: Maria vai com as outras. Este aqui é o certo e vai todo mundo fazer aquilo… E esquecem filhos, que o verdadeiro cristão sempre pensa diferente da grande maioria. Sempre!

Então que o anjo guardião quer é que vocês desenvolvam isto, o livre arbítrio. Livre arbítrio, filhos, não é decidir copiando o primeiro estúpido famoso que aparece. Livre arbítrio é avaliar as possibilidades e decidir com consciência, responsabilidade e ai o anjo guardião pode ajudar você a escolher.

É muito triste ver que hoje, vocês, espíritas, escutam muito mais estes que se dizem dirigentes espíritas, estes que se dizem manda chuva, estes que se apresentam como grandes estudiosos  e não conhecem coisa nenhuma. E vocês não querem seguir o Cristo.

Não querem pensar: ele está dizendo isto, mas o que o Cristo faria? Ah… Ele está dizendo isto, e qual a opinião de Alan Kardec? Ele está dizendo isto, mas deixa-me fazer uma prece e consultar com muita paz o meu anjo guardião.

Deixe-me dormir em um clima de equilíbrio e ir atrás da resposta e pedir de um jeito ou de outro possa me lembrar da resposta de manhã. Isto vocês tem de fazer.

Hoje existem tantos espíritas que estão tão embrutecidos, que nem se quer pensam: o que eu acho que é o certo? Ah… Porque o fulano falou que era assim, e o fulano está impedindo em nome do Espiritismo que você chegue a Deus.

Veja que situação triste esta que nós temos de observar. Porque vocês querem ser guiados por cegos! Então, a primeira atitude inteligente, a primeira atitude do livre arbítrio é: quais são as opções que eu tenho? Não é o que o fulano disse, não é que beltrano quer, não interessa o que ele é.

Pensemos, quais são às opções: como será que o Cristo agiria? O que Kardec ensinou, escreveu, o que os Espíritos disseram a ele sobre isto? O que o meu anjo guardião pensa? O que eu sinto em mim? O que é verdade? Porque observem que os Espíritos dizem a Kardec: é preciso aprender com a própria experiência, meus filhos. Se vocês não buscarem ter as próprias experiências, serão estúpidos, e isto hoje virou moda.

Todo mundo ensina o que nunca experienciou e não têm nem vergonha de disfarçar. Tem gente que conta a experiência do outro, como se isto fosse sabedoria própria. Mas você sentiu? Mas você viveu?

O que ensina se quer se pergunta: quais são os meus sentimentos em relação a esta experiência do outro? Não, ele decora experiências do outro e repete. É um papagaio estúpido!

Vocês não querem ser assim, então não sejam, porque todo o ensino do Cristo parte da experiência, do coração de cada um.

Quer ter contato com o Cristo, viva, você, a sua vida. O que você sente? Tristeza, ódio, raiva em relação a qualquer situação, viva isto! Tem consciência, conta para Cristo: Mestre olha o que estou sentindo, o que faço com isto? Ah… Tenho vontade de esganar quando vejo esta pessoa. O que eu faço com isto? A minha experiência hoje é de raiva. Como posso transformar esta raiva e não esconder e não me tornar um hipócrita, fariseu cínico. Se teu sentimento é este, assume a experiência e busca transformar ao longo do tempo.

Vocês não conhecem nada do Cristo e por isto agem como tolos. O Cristo tinha um carinho imenso por Pedro, mesmo vendo que Pedro tinha uma raiva muito grande por certas pessoas. E o Cristo não deixou de amá-lo.

O Cristo foi esperando a oportunidade, para ajudar Pedro a transformar os seus sentimentos raivosos não por uma semana, não foi em três anos, demorou muito mais…  E nós vemos espíritas que mudam a voz e pronto, agora são santos… Agora não tem problema, o perdão é uma coisa muito fácil para eles, nas suas bocas mentirosas.

É preciso viver esta luta da transformação dos sentimentos de forma sincera, honesta, buscando se elevar filhos. Isto é experiência. Não é fingimento! Porque o fingimento só leva a desgraça espiritual.

Peço que vocês que retenham muito isto: é preciso que vocês cresçam com as próprias experiências e se vocês mentem sobre o que sentem e sobre o que pensam, nunca terão experiências verdadeiras.

Vamos partir da verdade de vocês desse momento e passo a passo eu prefiro conviver com espírito que carrega ódio por dez anos, tentando se transformar e consegue, do que este falsos profetas que vocês admiram que carregam o ódio por muitas décadas, mas que sabem disfarçar, o ódio piora muito mais, pois se tornam responsáveis pelo pior dos crimes antes os olhos do Cristo: a traição do amor, a hipocrisia que falsifica usando o nome do Pai Santíssimo. Não façam isto, filhos. Sejamos o que sejamos, nem que sejamos criminosos arrependidos e trabalhadores do bem. Nunca sejamos fariseus!

Que o Cristo nos proteja desta postura que invadem tantos corações no movimento, que o seus anjos guardiões ajudem vocês terem experiências verdadeiras.

Que vocês fiquem em paz,

Do amigo espiritual de sempre.

Categories: Nova Geração

O que você achou?